Lombardia

Virologista levanta dúvidas sobre infetados em Itália. "Calculo 450 mil"

Virologista levanta dúvidas sobre infetados em Itália. "Calculo 450 mil"

Os casos positivos por Covid-19, em Itália, podem ser de 450 mil e não 69.176, (segundo o boletim de ontem, terça-feira), defende o virologista italiano Andrea Crisanti, director do Laboratório de Microbiologia de Pádova, que estuda o caso da região de Veneto.

Para o especialista, destes 450 mil, 250 mil deverão estar na zona da Lombardia, a região mais atingida pelo vírus, onde se registaram, até terça-feira, 30 mil casos positivos e mais de quatro mil mortes. A diferença de números é explicada com os casos assintomáticos.

"Não tenho explicação para se ter desvalorizado a dimensão da emergência quando estava à vista de toda a gente: na Lombardia os doentes serão pelo menos 250 mil, 150 mil sintomáticos e 100 mil assintomáticos. Em Itália calculo 450 mil e não 60 mil", afirma em entrevista ao "Corriere della Sera".

O também docente de Virologia no Imperial College de Londres explica porque está convicto de que os números que têm sido divulgados não correspondem à realidade.

"Há que considerar dois dados: os da China e os de Vò Euganeo, (região de Veneto, Itália, com menos de 3500 habitantes) onde foi feita, pela primeira vez no mundo, um exame epidemiológico a toda a população. Os números são similares e dizem-nos que a taxa de letalidade (relação entre o número de mortos e os casos positivos) é inferior a 2% e considerando todos os fatores chega-se a uma taxa de 1,5%". No entanto, a percentagem dos casos assintomáticos, que contagiam, é altíssima: 40%, pelo que a China mentiu, evitando estes números nas estatísticas", afirma.

Para Andrea Crisanti, não há nenhuma evidência de que o vírus seja mais agressivo na Lombardia do que em Veneto ou da China. "O facto de a taxa de letalidade de Veneto (3,4%) ser inferior à da Lombardia (13%) explica-se com o maior número de testes de despistagem feitos que revelaram dados concretos", afirma ao jornal italiano.

Chefe de Proteção Civil italiana com febre suspende conferência de imprensa

O Chefe da Proteção Civil italiana vai voltar a fazer o teste ao Covid-19, por esta terça-feira ter voltado a ter sintomas febris. Angelo Borrelli já tinha feito o teste, mas na altura deu negativo.

A habitual conferência de imprensa, às 18 horas (17 horas em Portugal) foi suspensa. Os dados relacionados com o Covid-19 vão ser atualizados, através de um comunicado de imprensa.

Angelo Borrelli, de 55 anos, é o responsável da Proteção Civil desde agosto de 2017.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG