Terrorismo

Viúva de japonês executado pelo Estado Islâmico "orgulhosa" do jornalista

Viúva de japonês executado pelo Estado Islâmico "orgulhosa" do jornalista

A viúva de Kenji Goto, jornalista japonês alegadamente executado pelo grupo Estado Islâmico, disse estar "orgulhosa" da carreira do marido, repórter de guerra, apesar de estar "devastada" com a sua morte, informou a imprensa local.

"Embora eu sinta uma grande perda, estou extremamente orgulhosa do meu marido, que trabalhou para dar voz às pessoas em zonas de conflito como o Iraque, Somália ou Síria", disse Rinko Goto numa mensagem publicada pela Fundação Rory Peck e citada pela imprensa nipónica.

Segundo a sua mulher, a "paixão" de Goto era "divulgar os efeitos da tragédia da guerra nas pessoas comuns, e em especial nas crianças".

O grupo radical Estado Islâmico (EI) divulgou, este sábado, um vídeo, em que mostra a decapitação de Kenji Goto, capturado na Síria em outubro último, o segundo refém japonês executado no intervalo de uma semana.