Coreia do Norte

Vivo, morto ou em estado vegetativo? O que se passa com Kim Jong-un?

Vivo, morto ou em estado vegetativo? O que se passa com Kim Jong-un?

Tudo o que acontece na Coreia do Norte está a sujeito a interrogações, que passam pelo mais básico dos básicos: aconteceu ou é apenas fruto de uma máquina de propaganda? Nos últimos dias, o interesse pelo país voltou a crescer, com o desaparecimento do líder Kim Jong-un da vida pública. As notícias que chegam ao Ocidente permitem apenas chegar a um conclusão: ninguém pode afirmar com certeza se está vivo, se está morto ou até preso a uma cama de hospital, num limbo entre esses dois estados. Certo é que a China enviou uma equipa médica a Pyongyang, para assessorar os médicos do país nos cuidados ao líder, que terá 36 anos.

As interrogações sobre o estado de saúde de Kim Jong-un começaram a tornar-se mais fortes a 15 de abril, quando faltou às cerimónias que assinalavam o aniversário do avô, Kim Il-sung, no mausoléu onde jaz o corpo do fundador do regime que controla o país. Depois de fontes dos serviços de informações norte-americanos terem dito à CNN que Kim se encontrava em estado grave, na sequência de complicações durante uma cirurgia cardíaca, Donald Trump negou a informação numa conferência de imprensa, na quinta-feira, e aproveitou para atacar o canal de notícias. "Julgo que essa informação estava errada. Penso que foi uma falsa informação da CNN", atacou o presidente do EUA.

Ainda assim, na terça-feira, tinha desejado as melhoras ao líder norte-coreano. "Se o seu estado de saúde é o mencionado nos meios de comunicação social é uma situação muito preocupante", explicou. Nesse mesmo dia, a Coreia do Sul tinha desvalorizado os rumores, já que não tinha qualquer indicação que apontasse para uma deterioração do estado de saúde do chefe de Estado dos vizinhos do Norte.

Este sábado, o mistério adensou-se, com a China a enviar uma equipa médica de apoio para a Coreia do Norte, mas que ainda não terá chegado a conclusões, segundo explica a agência Reuters.

Ao final da tarde deste sábado, nova informação, desta vez chegada ao Ocidente pelo site de rumores e notícias do social norte-americano TMZ, que cita uma vice-diretora do canal de Hong Kong HKSTV, alegadamente sobrinha do ministro dos negócios estrangeiros chinês. Segundo ela, "fonte muito sólida" garantiu que Kim tinha morrido. Uma outra tese que circula em alguns meios de comunicação social é a de que se encontra em estado vegetativo, após um procedimento cirúrgico que correu mal.

O facto de estas notícias surgirem a 25 de abril, estará relacionado com o assinalar, este sábado, do 88.º aniversário do Exército Popular da Coreia do Norte, uma data importante e marcada com uma parada militar no centro da capital. Mas este ano Kim Jong-un não surge nas imagens oficiais divulgadas do evento.

36 anos, obeso e fumador

Tal como referido antes, todas as informações que saem da Coreia do Norte estão sujeitas a confirmação independente e isso aplica-se até à idade. Segundo o que é possível saber lendo notícias de meios de comunicação internacionais e relatos de dissidentes que conseguiram escapar do país, Kim Jong-un terá 36 anos, é um ávido fumador e ganhou peso desde que tomou posse, em 2011. Fã de basquetebol, estudou fora do país e foi até colega de escola de um português, num colégio suíço. Quando tomou posse, analistas contavam que o facto de ter estudado fora do país o influenciasse a abrir o regime fundado pelo avô, mas tal não parece ter surtido efeito. ​​​​

Ainda sobre a sua saúde, sabe-se que esteve 40 dias fora da vida pública, depois de ter padecido de um "problema médico desconfortável", segundo revela a revista "Forbes". Quando voltou a aparecer, mancava e caminhava com o apoio de uma bengala. Já em fevereiro, passou quase três semanas sem ser visto em público, algo pouco habitual.

Uma das questões que se levanta neste momento é sobre a linha de sucessão no país, caso se confirme o óbito, já que não são conhecidas regras sobre o tema. Acredita-se que a Coreia do Norte poderá ter a primeira mulher a liderar os destinos do país, mas se há quem afirme que essa responsabilidade poderá recair sobre Ri Sol Ju, a sua mulher, há outros que especulam que será a irmã, Kim Yo Jong, a ficar com o papel do "Supremo Líder".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG