Diplomacia

Volodymir Zelensky quer referendar entrada da Ucrânia na NATO

Volodymir Zelensky quer referendar entrada da Ucrânia na NATO

O comediante que lidera as sondagens para as eleições presidenciais de domingo na Ucrânia, Volodymir Zelensky, afirmou hoje que quer referendar a entrada do país na NATO, e que quer "unir o país".

Zelensky considerou que o país escolheu "claramente o caminho para a Europa" após um consenso nacional sobre o tema, e acrescentou que precisa de garantir uma maioria sólida que apoie a possível adesão do país à aliança atlântica.

"É óbvio que a NATO significa altos níveis militares e de segurança, mas eu quero unir o país", referiu numa entrevista ao portal da Internet RBC Ukraine.

O comediante acrescentou que iria apelar às pessoas que vivem nas regiões mais a leste da Ucrânia, onde se fala a língua russa, para deixarem de ter uma ideia negativa sobre a NATO, através da divulgação de vídeos que irá gravar diariamente para mostrar que a organização "não é um monstro que as quer engolir".

O Presidente Petro Poroshenko, candidato a um segundo mandato no escrutínio de domingo, já havia insistido na adesão do pais à NATO e à União Europeia, mas nenhuma aliança está disposta a dirigir o país nessa direção devido aos seus problemas económicos, corrupção galopante e o conflito que deflagrou em 2014 com os separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia.

Zelensky garantiu que no topo da sua lista de prioridades está o fim das hostilidades naquela região.

Hoje, o humorista prometeu que iria aproximar-se das pessoas que vivem em áreas controladas pelos rebeldes para que se sintam como parte da Ucrânia, após terem sido prejudicados pela política de Poroshenko de bloqueio de territórios separatistas.

"Eu espero que estas pessoas [da região leste] sintam que a Ucrânia precisa delas tal como elas precisam da Ucrânia", referiu Zelensky, que ganhou popularidade nacional por imitar o Presidente ucraniano numa série de televisão.

O candidato afirmou ainda que irá tentar antecipar as eleições parlamentares, que estão previstas para o final de outubro próximo, por considerar que essa antecipação faz parte da sua ideia de "renovação" da elite que lidera o país.

Os apoiantes do comediante veem Zelensky como um homem que pode fazer frente aos problemas económicos e à corrupção do país.

Por outro lado, os seus oponentes consideram que o humorista não tem experiência política para assumir funções.

Uma sondagem hoje divulgada, realizada pela agência Rating a 3.000 pessoas, com uma margem de erro de 1,8 pontos percentuais, mostra 58% de intenções de voto a favor de Zelensky, seguindo-se o atual Presidente Poroshenko, com 22%.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG