eutanásia

Vontade de Brittany em morrer com dignidade cumpriu-se sábado

Vontade de Brittany em morrer com dignidade cumpriu-se sábado

Brittany Maynard cumpriu a sua vontade em morrer com dignidade, sábado, na sua casa, depois de concretizar alguns desejos e antes que o cancro terminal que tinha no cérebro lhe consumisse as energias e a alegria que ainda sentia.

"Adeus a todos os meus queridos amigos e família que amo. Hoje é o dia que escolhi para morrer com dignidade, tendo em conta a minha doença terminal, este cancro terrível no cérebro que me levou muito... mas teria levado muito mais", escreveu Brittany Maynard numa mensagem divulgada publicamente depois do suicídio assistido da jovem, de 29 anos, no passado sábado, dia 1 de novembro.

Sean Crowley, porta-voz da associação "Compassion & Choices", que defende o direito à eutanásia e à qual Brittany Maynard associou a sua defesa pelo direito de escolher uma morte digna, anunciou que a jovem norte-americana morreu pacificamente, na sua casa, no sábado.

PUB

"Brittany morreu, mas o seu amor à vida, a sua paixão e o seu espírito sobrevivem", acrescentou Barbara Lee Coombs, presidente da instituição.

A jovem recebeu o terrível diagnóstico de que tinha um cancro agressivo e incurável no cérebro, em janeiro, quando foi ao médico a queixar-se de fortes dores de cabeça. Em abril, deram-lhe seis meses ou menos de vida. Os oncologistas indicaram que o tumor lhe iria causar, cada vez mais, dor muito forte e prolongada. Foi então que decidiu ter uma morte digna, recorrendo ao suicídio assistido. E marcou uma data: 1 de novembro.

A decisão de avançar com o suicídio assistido motivou o debate sobre este assunto nos Estados Unidos.

O suicídio assistido está legalmente previsto em cinco Estados norte-americanos (Washington, Montana, Novo México, Vermont e Oregão), por isso, Brittany teve de deixar Oakland, na Califórnia, onde morava, e mudar-se com a família para o Estado vizinho de Orégão, onde a prática é permitida.

Na semana passada, a jovem divulgou imagens de uma visita ao Grand Canyon, no Colorado. Era, segundo revelou a própria, o seu último desejo antes de morrer.

Na sexta-feira, Brittany deu a entender que poderia adiar a sua decisão. Mas tal não se confirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG