Espanha

Vox reelege Santiago Abascal de forma administrativa e sem ir a votos

Vox reelege Santiago Abascal de forma administrativa e sem ir a votos

Congresso do partido de extrema-direita, que é já o 3.º maior de Espanha, foi fechado aos críticos do líder que o acusam de "golpada interna".

Santiago Abascal foi reeleito neste sábado líder do partido espanhol de extrema-direita Vox por mais quatro anos. Mas a eleição foi feita sem votação e num congresso que impediu a entrada de vozes do setor crítico do partido.

A proclamação de Abascal foi conhecida através de um comunicado de imprensa que causou surpresa - em nenhum momento da reunião, que os afiliados tiveram que seguir por transmissão em streaming na internet, foi anunciada a dita proclamação.

O líder Santiago Abascal, que não interveio em nenhum momento, reservou a sua subida à tribuna para domingo e só aí deverá discursar, já plenamente eleito. A direção do partido alegou problemas de falta de espaço para restringir o acesso de vários membros do partido ao Palácio Vistalegre, onde decorre o congresso, em Madrid. Esse também foi o argumento usado para fechar o caminho à lista do médico das Canárias Carmelo González, que se apresentava como alternativa à do líder, numa corrente crítica designada Vox Talk.

Uma golpada, dizem os críticos

O Vox, que foi o 3.º partido mais votado nas eleições gerais de novembro de 2019 (o PSOE venceu as eleições e o 2.º mais votado foi o PP) imprimiu uma verdadeira reviravolta aos seus estatutos na assembleia magna iniciada este sábado, e que vai concluir-se no domingo, para estabelecer uma organização cada vez mais piramidal e fortemente centralista.

O partido ultra publicou na quarta-feira na Intranet a reforma das suas regras internas - nomeadamente a que atribui à liderança nacional o poder de instruir todos os órgãos do partido e dissolvê-los caso desobedecerem. Santiago Abascal é proclamado presidente por mais quatro anos sem se submeter ao voto dos seus afiliados, embora os estatutos do partido o permitissem.

O comité eleitoral, cujos membros integram a candidatura de Abascal, rejeitou sumariamente a admissão da lista crítica de Carmelo González por esta, alegadamente, não ter conseguido obter o número mínimo de assinaturas de 10% dos afiliados. Mas, não só não revelou quantas assinaturas a lista concorrente havia conseguido, nem o número oficial.
Os críticos denunciaram aquilo que parece ter sido uma "verdadeira golpada" nas eleições internas e já manifestaram a intenção de contestar a proclamação de Abascal perante os tribunais.

Convenção de negócios, não um congresso

O primeiro dia do congresso terminou sem abordar os pontos mais importantes que estavam na agenda e haviam sido comunicados aos seus membros, como o debate sobre a mudança dos estatutos do partido, que dão agora plenos poderes à liderança nacional em detrimento das organizações territoriais; a renovação do comité de fiscalização e do comité eleitoral; ou o relatório do presidente, Santiago Abascal.

Na ausência de uma explicação sobre a reforma dos estatutos, que deverá ser aprovada sem debate, o congresso, escreve o jornal "El País", pareceu mais uma convenção de negócios do que o congresso de um partido.

No balanço de atividade exibido pela administração Vox, há várias coisas por explicar: o benefício de 5,2 milhões obtido no ano passado ou os mais de 650 encargos públicos, mas também as 111 denúncias, 19 reclamações, dois processos perante os tribunais europeus, seis contenciosos administrativos e um recurso ao Constitucional que apresentou sua equipe jurídica.

No primeiro dia de congresso, cerca de uma dúzia de funcionários encarregados do aparelho burocrático do partido desfilou pela tribuna. Apesar de o partido nas contas de 2019 contar oficialmente só com 34 funcionários, já empregará 2.726 pessoas.

O primeiro dia de congresso foi concluído com a intervenção do secretário-geral do Vox, Javier Ortega Smith, protagonista de um vídeo de propaganda, que elevou o objetivo do Vox para o próximo ano: atingir 100 mil membros, quase o dobro dos atuais 57 mil.

Outras Notícias