Celebração

1.º de Maio sem "desfiles, manifestações ou concentrações", diz CGTP

1.º de Maio sem "desfiles, manifestações ou concentrações", diz CGTP

A secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, garantiu ao JN que não vai haver "manifestações, concentrações nem desfiles" para assinalar o Dia do Trabalhador, mas sim "iniciativas que terão sempre uma participação limitada".

A líder da central sindical revela que, no dia 1 de Maio, haverá ações de protesto em Lisboa, no Porto e em várias outras capitais de distrito, mas garante que estas ocorrerão "com toda a responsabilidade" e com o respeito pelas normas sanitárias, nomeadamente o distanciamento social entre participantes.

A CGTP vai "limitar o número de presentes", embora não imponha um número máximo. Também não irá mobilizar trabalhadores pertencentes a grupos de risco. As iniciativas presenciais, diz Isabel Camarinha, incluirão sobretudo ativistas sindicais que "estarão a representar os restantes trabalhadores".

A Intersindical irá reunir em breve com os ministérios da Saúde e da Administração Interna de modo a acertar pormenores.

Dois milhões de trabalhadores prejudicados pelo "lay-off"

Isabel Camarinha afirma que o número de trabalhadores que se viram prejudicados pela pandemia da Covid-19 já ronda os dois milhões, entre aqueles que foram despedidos, que estão em 'lay-off' ou que viram os seus contratos precários serem terminados.

Estas são algumas das "questões de fundo" que a CGTP quer ver resolvidas e que levaram a Comissão Executiva, reunida esta segunda-feira, a manter as iniciativas presenciais que estão pensadas para dia 1.

PUB

Além dessas ações de rua, a CGTP vai também promover um "amplo programa" no seu site e nas redes sociais durante o Dia do Trabalhador, com a divulgação de testemunhos de trabalhadores acerca da evolução da sua situação laboral durante a pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG