INE

17% dos portugueses têm menos de 501 euros mas risco de pobreza baixou

17% dos portugueses têm menos de 501 euros mas risco de pobreza baixou

A taxa de risco de pobreza recuou uma décima no ano passado, afetando 17,2% da população, divulgou o Instituto Nacional de Estatística esta terça-feira. Apesar da descida, a mais tímida desde há quatro anos seguidos, ainda há cerca de 2,2 milhões de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social.

De acordo com o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, realizado em 2019 sobre rendimentos do ano anterior, 17,2% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2018, menos 0,1 ponto percentual face a 2017 e menos 3,2 do que em 2003.

O INE explica que a taxa de risco de pobreza correspondia, em 2018, à "proporção de habitantes com rendimentos monetários líquidos anuais por adulto equivalente inferiores a 6014 euros". Ou seja, em risco de pobreza estão as pessoas com um rendimento líquido abaixo de 501 euros mensais, mais 34 euros relativamente a 2017.

Sobe para adultos em idade ativa e baixa para idosos e jovens até aos 18 anos

Ao passo que se registou uma diminuição do risco de pobreza nos menores de 18 anos (19% em 2017 para 18,5% em 2018) e na população idosa (17,7% para 17,3%), a taxa referente a adultos em idade ativa subiu: foi de 16,9%, mais 0,2 pontos percentuais do que em 2017.

"Apesar da redução do risco de pobreza infantil, em 2018 a presença das crianças num agregado familiar continuava a estar associada a um risco de pobreza acrescido, sobretudo no caso dos agregados constituídos por um adulto com pelo menos uma criança dependente (33,9%) e naqueles constituídos por dois adultos com três ou mais crianças dependentes (30,2%), refere o INE.

Quanto à avaliação por género, o risco de pobreza desceu um ponto percentual entre as mulheres (de 17,9% para 17,8%) e manteve-se igual no caso dos homens (16,6%).

Segundo a condição quanto ao trabalho, o risco de pobreza aumentou tanto na população empregada (10,8% em 2018, mais um ponto percentual do que no ano anterior) como na desempregada (45,7% para 47,5%) e na população reformada (15,2% para 15,7%)

Por regiões, e tal como aconteceu no ano anterior, a Área Metropolitana de Lisboa é a única que tem uma taxa de risco de pobreza inferior à média nacional (13,3% contra 17,2%). É nos arquipélagos dos Açores e Madeira, sobretudo no primeiro (mais de um terço), que a taxa é maior.

O indicador que conjuga as condições de risco de pobreza, de privação material severa e de intensidade laboral per capita muito reduzida revelou que cerca de 2,2 milhões de pessoas estão em risco de pobreza ou exclusão social (21,6% da população). Se se considerasse apenas os rendimentos do trabalho, de capital e transferências privadas, 43,4% da população em Portugal estaria em risco, observa o INE.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG