O Jogo ao Vivo

PRR

285 milhões para dar um "choque na formação profissional"

285 milhões para dar um "choque na formação profissional"

São 285 milhões de euros para criar sete novos centros de formação e requalificar mais 60 mil pessoas nas áreas do digital, da transição energética e do setor social. Um "choque na formação profissional", classificou a ministra Ana Mendes Godinho, numa cerimónia que contou com a participação de vários ministros e de António Costa.

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, quer dar "um choque na formação profissional". Para o efeito, foram assinados, esta terça-feira, contratos visando os centros de formação profissional e o "Acelerador Qualifica", no valor de 285 milhões de euros, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Desses 285 milhões de euros, 230 milhões destinam-se à criação de sete novos centros de formação profissional (81,7 milhões de euros) e à requalificação dos 55 atualmente existentes (148 milhões de euros). Os novos centros serão criados nas regiões do Tâmega e Vale do Sousa, Leiria, Lisboa Norte, Alentejo Litoral e Algarve.

O objetivo, segundo Ana Mendes Godinho, é ter mais de 60 mil pessoas em formação, por ano, chegando-se a 2025 com o patamar de 100 mil, em áreas como a transição digital (34 milhões de euros de investimento), modernização da indústria (33 milhões de euros), ambiente e energias renováveis (sete milhões de euros), bem como saúde e setor social (3,4 milhões de euros).

Além dos contratos ao nível dos centros de formação profissional, foram assinados protocolos visando o "Acelerador Qualifica", que pretende aumentar a formação escolar da população adulta. O objetivo é ter mais de 100 mil adultos, em 2025, com certificação de competências. Para tal, serão investidos 55 milhões de euros.

O programa abrange adultos que pretendam aumentar o seu nível de escolaridade, obrigando a uma formação mínima de 50 horas e concedendo um apoio de 548 euros mensais por pessoa.

"Investir nas qualificações é absolutamente central", considerou o primeiro-ministro, admitindo que o nível de desemprego no país continua "muito elevado" e apontando que há atividades que forçosamente irão acabar. Por exemplo, será incontornável que sejam encerradas as centrais a carvão. "Não as podemos manter a funcionar. Mas quem lá trabalha terá que ter a sua oportunidade para se qualificar", sublinhou António Costa.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG