Banif

600 trabalhadores ficam no Banif "mau"

600 trabalhadores ficam no Banif "mau"

O ministro das Finanças revelou, esta quarta-feira, no Parlamento, onde decorre o debate sobre o Orçamento Retificativo, que dos 1700 trabalhadores do Banif, 600 permanecem no veículo criado para gerir os ativos maus da instituição.

"Transitam para o Santander os mil trabalhadores. Os restantes 600 trabalhadores ficarão no veículo de gestão que está na órbita da resolução", esclareceu Mário Centeno, perante questões da bloquista Mariana Mortágua e do deputado do PSD Duarte Pacheco.

"É intenção deste Governo não gastar mais dinheiro publico em bancos", assegurou, ainda, o ministro das Finanças, referindo que para a compra do Banco Internacional do Funchal (Banif) estavam em cima da mesa quatro propostas.

"Uma era não vinculativa. E apenas duas cumpriam as regras de venda", disse, sendo que "a venda foi decidida pela autoridade de resolução", que considerou que a proposta do Santander "foi considerada a melhor".

"A decisão que trazemos hoje é difícil, pelo impacto financeiro e pelas condições que teve de ser tomada", assumiu, para lembrar que se está perante a venda, "em contexto de resolução", de "um banco em 24 horas".

Centeno disse também "a perda do Banif começou há muito tempo e teve uma trajetória muito forte". "A desvalorização de 97% registou-se desde a injeção da ajuda de capital pelo Estado", disse.

Outras Notícias