Covid-19

Alto Minho diz que ajuda da Galiza é "bem-vinda, mas não é necessária neste momento"

Alto Minho diz que ajuda da Galiza é "bem-vinda, mas não é necessária neste momento"

O presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), Franklim Ramos, diz que de momento a região "não necessita" da ajuda no combate à covid-19 oferecida pelo Governo da Galiza.

Em reação às declarações de Alberto Nuñez Feijóo, Franklim Ramos afirmou que "toda a ajuda é bem-vinda", mas por agora a situação no Alto Minho permite dispensar a oferta. Refere, no entanto, que a gestão de eventuais apoios está sob a alçada da tutela.

PUB

"Todas as ajudas são bem-vindas, mas devem ser canalizadas para o Ministério da Saúde e será a senhora ministra que dirá que tipo de ajudas é que serão necessárias e será depois avaliado que hospitais necessitam dessas ajudas. No que toca ao Ato Minho, neste momento, estamos a funcionar normalmente. Isto é, cheios, com muitos doentes, mas não estamos numa situação caótica", declarou o responsável da ULSAM, sublinhando: "Não estamos, neste momento, a necessitar dessa ajuda".

Franklim Ramos indicou ainda que a região tem registado melhorias na evolução dos casos ativos. "Felizmente temos vindo a melhorar. Está a haver uma redução no número de doentes ativos no Alto Minho. Os Cuidados Intensivos estão sob pressão, mas estamos a aguentar", disse, comentando: "O confinamento tem vindo a resultar. A redução na infeção já é notória em todo o Norte do país e embora tenhamos o maior número de casos ainda do Norte, estamos a ter reduções de 42%. A expetativa para os próximos tempos será, eventualmente, de uma melhoria". No que diz respeito à assistência hospitalar, "na zona Norte tem havido uma boa articulação entre os hospitais e há transferências para um lado e para o outro".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG