Covid-19

"A situação é grave": S. João admite interromper atividade programada em 20%

JN/Agências

Nelson Pereira admite: "A situação é grave"

Foto Igor Martins / Global Imagens

O Hospital de São João, no Porto, decide até sábado se interrompe a atividade programada em 20% para fazer face ao aumento de casos covid-19, disse o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva.

"Estamos a chegar às 8 horas de cada dia sem nenhuma vaga no hospital", disse Nelson Pereira, que, em declarações aos jornalistas junto ao serviço de urgência deste hospital, explicou estar em causa a ativação do nível 3 do plano de contingência, algo a decidir até ao fim de semana.

"Não podemos chegar ao fim de semana sem tomar essa decisão: ou para um lado ou para o outro. Mas a situação é grave", referiu.

Ativar o nível 3 do plano de contingência significa dar a possibilidade aos serviços para interromperem a atividade programada - consultas e cirurgias - até 20%.

Nelson Pereira garantiu que essa situação "ainda não aconteceu", mas, ainda que desejando "muito" que não venha a acontecer, considerou "premente estar preparado", porque "não se perspetiva que nos próximos dias venha a acontecer um alívio da situação epidemiológica".

"A situação nos últimos 10 dias agravou-se significativamente. O serviço de urgência tem sido particularmente castigado. Estamos a bater recordes sucessivos. Nos últimos dias tivemos 50% de positividade nos nossos testes", contou.

O serviço de urgência do Hospital de São João admitiu na segunda-feira 946 doentes.

Atualmente, neste hospital estão internados cerca de 80 doentes com covid-19, 10 dos quais em cuidados intensivos.

O diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva contou que cerca de 200 profissionais deste hospital estão ausentes por estarem infetados.

Relacionadas