Legislativas

Agressões entre membros do MAS e do Chega mancham campanha em Barcelos

Nuno Dantas

O Chega fez queixa na PSP

Foto Nuno AndrÉ Ferreira/lusa

Membros do Movimento Alternativa Socialista (MAS) e do Chega envolveram-se, na quinta-feira, em Barcelos, em confrontos físicos após troca de insultos entre as duas fações.

O partido liderado por André Ventura já apresentou queixa na PSP, que identificou os elementos do MAS, e promete levar o caso até às últimas consequências.

Filipe Melo, presidente da distrital de Braga do Chega, confirmou ao JN que dois membros da comitiva foram agredidos, tendo um deles sido atingido com uma chávena de café.

"Estava uma pequena comitiva nossa à espera de outros colegas para irmos fazer uma ação ao mercado e, entretanto, passou um grupo de MAS, uns sete ou oito. De uma forma completamente gratuita, começaram a chamar-nos fascistas [e outros insultos] e houve um colega nosso que se levantou da mesa e disse para terem calma porque temos de nos respeitar a todos", contou.

Depois, segundo o presidente da distrital de Braga, vieram as agressões. "Quando ele acabou de dizer aquilo, foi agredido com uma chávena! Outra responsável pelo partido em Barcelos, com cerca de 50 anos, foi empurrada da cadeira e, por sorte, os populares intervieram e separaram", acrescentou Filipe Melo, defendendo que, "tem de haver respeito pelo próximo" independentemente das ideologias.

O responsável do Chega revelou que, de imediato, foi apresentada uma queixa na PSP de Barcelos, que se colocou no encalço dos membros do MAS, intercetando-os e identificando-os. Filipe Melo disse que "foi a primeira vez" que viveu algo do género e "não foi nada agradável".

Contactado pelo JN, Vasco Santos, responsável do MAS em Barcelos, escusou-se a falar no caso. "Não irei prestar declarações para evitar mal-entendidos e situações que não abonam em nada para aquilo que defendemos, é um não assunto", remata.

Relacionadas