Nacional

Alunos satisfeitos com notas, mas Física surpreende pela negativa

Mariana Sousa Lopes

Iaquihte Sataca

Foto Dr

No dia em que são conhecidas as notas dos exames nacionais, as escolas optam por diferentes métodos para os revelar aos alunos . Em Famalicão, a secundária D. Sancho I abriu as portas às 00.05 horas para os alunos consultarem as pautas. Ali bem perto, na secundária Camilo Castelo Branco, os alunos consultaram as notas individualmente no portal Inovar e as pautas globais estão afixadas na escola desde esta segunda-feira de manhã.

Catarina Pereira é uma das alunas de 12.º ano que realizou o exame de português para concorrer à faculdade. Ainda entre lágrimas, confessa ao JN que o exame "correu melhor do que esperava". Teve 17 valores e o seu sonho é entrar em solicitadoria.

Depois de um ano parado, André Costa, 19 anos, fez os exames de Biologia e Geologia e de Física e Química como aluno externo. A nota do exame de Biologia e Geologia "foi dentro do que esperava", pois já tinha consultado os critérios de avaliação. Mas as notas de Física e Química "estão a surpreender muita gente e não pela positiva".

Segundo os dados divulgados pelo Ministério da Educação, a média da disciplina foi de 9,8, baixando três valores comparativamente ao ano passado e foi a única disciplina com média negativa.

Matilde Lemos, de 17 anos, aluna do 11.º ano, fez os mesmos exames que André Costa, mas tem opinião contrária. A jovem considerou o exame de Física e Química "um bocado complicado, mas a nota era o que esperava", tendo em conta a forma como correu. O exame de Biologia e Geologia correu melhor, mas "achava que ia ter uma nota mais alta". Matilde Lemos não irá repetir os exames na segunda fase, a opção é fazer melhoria no próximo ano. O objetivo é estudar ciências farmacêuticas ou enfermagem.

Francisca Santos também realizou o exame de Biologia e Geologia e a nota foi melhor do que esperava. Tal como Matilde Lemos, se optar por melhoria de nota, só a poderá realizar daqui a um ano.

Entre sorrisos, Iaquihte Sataca diz que as notas "foram como estava à espera, felizmente". O estudante do 11º ano realizou os exames de Geometria Descritiva e Física e Química para tentar ingressar no curso de arquitetura.

Há cerca de quatro anos que a escola D. Sancho I afixa as pautas dos exames nacionais nos primeiros minutos do dia. Daniela Nogueira, adjunta da diretora, diz que o objetivo é "tranquilizar um bocado as famílias, porque há alguma ansiedade".

Este ano, às 00.05 horas, compareceram entre 50 e 80 alunos, o que só foi possível devido à mudança de restrições do Governo face à pandemia. A adjunta da diretora refere que ainda não lançam as notas "eletronicamente e de forma privada", porque estão "a mudar o programa informático da escola, para um programa obrigatório do Ministério da Educação, que não tem essa funcionalidade para os encarregados de educação"

Na escola secundária Camilo Castelo Branco, pelo segundo ano consecutivo, publicaram as classificações online, devido ao contexto pandémico. A plataforma escolhida é o Inovar. Segundo o diretor da escola, os alunos utilizam habitualmente o portal para as "classificações internas, a única diferença é que só têm acesso aos resultados durante o período legal permitido". Neste programa, os alunos apenas têm acesso à sua nota, mas na escola são afixadas as pautas globais.

Relacionadas