Norte

Cerca de 30% dos alunos mais frágeis melhoraram desempenho

Alexandra Barata

O projeto "Pisa para as escolas nos municípios" foi lançado há dois anos

Foto José Carmo/global Imagens/arquivo

Cerca de 30% dos estudantes provenientes de contextos socioeconómicos desfavorecidos, de estabelecimentos de ensino em nove concelhos do Norte do país, conseguiram superar as expectativas em termos de desempenho, no âmbito do projeto "Pisa para as escolas nos municípios".

A garantia foi dada ontem por Gonçalo Xufre, conselheiro da OCDE, durante a conferência "Pisa para as escolas: do diagnóstico à ação", promovida pelo município de Amadora.

Gonçalo Xufre considerou os resultados "muito significativos" e revelou que foram alcançados em Arouca, Barcelos, Fafe, Guimarães, Nelas, Penalva do Castelo, Póvoa de Lanhoso, Tondela e Vizela. "Estas escolas trabalham com alunos de um contexto socioeconómico negativo e estão a colocar o seu desempenho na parte de cima da tabela", afirmou. "Estamos muito interessados em saber quais são as suas abordagens para alcançar estes resultados".

Designado como índice de resiliência pela OCDE, este indicador está a ser trabalhado nas escolas envolvidas no "Pisa para as escolas nos municípios". Aplicado em rede, o projeto é desenvolvido através da partilha de informação, para que os estabelecimentos de ensino envolvidos possam "aprender mais sobre realidades diferentes e encontrar soluções para a melhoria da qualidade de aprendizagem de todos".

"Muitas vezes, enchemos a boca com a qualidade de algumas escolas, não tendo em conta que os alunos são completamente diferentes", afirmou o secretário de Estado da Educação João Costa. "Importa saber que uma escola que recebe um aluno que tem potencial para ter 16 [valores] e o eleva a 17 tem muito menos trabalho do que uma escola que recebe um aluno com potencial para 5 e o eleva a 14", sublinhou. "Todos estes indicadores permitem-nos ter um olhar muito mais completo do sistema."

Coordenado pelo Instituto Politécnico de Lisboa, o projeto "Pisa para as escolas nos municípios" envolve a OCDE. Lançado há dois anos, abrange 109 agrupamentos de escolas de 45 municípios e 4260 estudantes das Comunidades Médio Tejo, Intermunicipal do Ave, Terras de Trás-os-Montes, Viseu Dão Lafões e ainda de Arouca, Amadora, Barcelos e Braga.