IPSS

Governo reforça orçamento do setor social em 70 milhões

Delfim Machado

Ana Mendes Godinho aceitou proposta das IPSS

Foto Manuel De Almeida / Lusa

O Governo tem um princípio de acordo com as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) que prevê a entrega de um apoio extraordinário de 70 milhões de euros até ao final do ano. As transferências regulares sobem 5% em 2023.

O acordo foi anunciado pelo comentador Luís Marques Mendes, na SiC, e confirmado ao JN pelo vice-presidente e diretor-executivo da Confederação Cooperativa Portuguesa (Confecoop), Joaquim Pequicho. "Existe um princípio de acordo que ainda é preciso garantir e assinar", adianta o dirigente da Confecoop. Em causa está uma proposta das organizações do setor que já tem a concordância do Ministério da Segurança Social, mas falta o aval do Ministério das Finanças, sabe o JN. O JN questionou o Ministério da Segurança Social, mas não obteve resposta.

No domingo, Marques Mendes revelou que o acordo prevê que o Governo atribua às IPSS um apoio extraordinário de 35 milhões de euros referentes a 2022 e outro de igual montante para 2023. Ambas as prestações serão pagas em dezembro deste ano. Além do reforço de 70 milhões de euros, o Governo aceitou atualizar em 5% os apoios regulares, sendo que 4,2% são pagos já em dezembro.

Joaquim Pequicho afirma que há "uma base positiva de trabalho" que permite suprir as dificuldades resultantes "da inflação, do aumento do preço da energia e do custo com a subida do salário mínimo", que passa de 705 euros para 760 euros no próximo ano. "Não podemos e não queremos colocar o peso do lado das famílias porque elas também estão a sofrer com a inflação e com outros fatores como a subida das taxas de juro", diz Joaquim Pequicho.