Tecnologia

Luva que ajuda a detetar cancro da mama ganha prémio de inovação

Catarina Paço Rodrigues

A luva de rastreio médico pode ser utilizada em casa e complementa o auto-exame mamário

Foto Dr

Uma luva que complementa o auto-exame mamário - chamada "SenseGlove"- da autoria de Francisco Nogueira, antigo aluno do curso de Engenharia Biomédica, foi o projeto vencedor na categoria "Startup" do Altice International Innovation Award (AIIA), prémio que pretende distinguir, promover e apoiar talento tecnológico.

O projeto da startup "Glooma", que deu origem ao "SenseGlove", desenvolveu uma luva de rastreio médico que pode ser utilizado em casa e que complementa o auto-exame mamário. A "SenseGlove" utiliza sensores piezoelétricos que permitem detetar anomalias, benignas ou malignas, no tecido mamário, e controlar o seu tamanho e textura. O projeto recebeu 50 mil euros como prémio. "Seremos capazes de levar as mulheres ao médico o mais rápido possível e detetar o cancro da mama no estágio inicial", explica Francisco Nogueira, antigo aluno da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA .

A luva está em fase de protótipo, mas a empresa já aceita pré-reservas.

Prémio também para projeto com drones

Na categoria "Academia", o projeto vencedor é da autoria do aluno Dário Pedro - doutorando em Engenharia Eletrotécnica e Computadores na Universidade NOVA - que visa encontrar uma solução para evitar a colisão de veículos aéreos não tripulados ou drones.

Os drones podem vir a ter múltiplas aplicações, como o transporte de bens, segurança ou, numa visão a longo prazo, o transporte de pessoas. Esta solução ajuda a resolver os problemas de tráfego das cidades mas, dado que é algo que exige um elevado nível de segurança e proteção, este trabalho propõe uma solução neural para prevenir a colisão entre os objetos , através da utilização de inteligência artificial. O prémio para este projeto foi de 25 mil euros.

"Soluções como o transporte aéreo autónomo irão simplificar a vida de todos os cidadãos de grandes cidades, otimizando centenas de horas perdidas.", explica Dário Pedro.

O prémio de inovação Altice International Innovation Award, que teve a sua primeira edição em 2016, visa premiar estudantes de mestrado e de doutoramento em Portugal, mas também empreendedores e startups em fase de incubação e com filial em Portugal ou França. Em 2020, o projeto que venceu na categoria "Academia" visava remover baterias de sensores que podem ser usados na Internet das Coisas. Na mesma edição, na categoria "Startup", o projeto vencedor foi um medidor de tosse a ser utilizado em contexto médico.

À semelhança de edições passadas, a edição deste ano - uma parceria entre a Altice Labs e a Agência Nacional de Inovação (ANI) -, a Altice International Innovation Award promove projetos "Born from Knowledge" (BfK) que distingue projetos portugueses intensivos em conhecimento, assim como startups nacionais que se destacam em atividades de Investigação e Desenvolvimento.