Solidariedade

Meio milhão de pessoas a precisar de ajuda para comer é "muito elevado"

Maria Dinis

Marcelo Rebelo de Sousa não deixou de aceder aos numerosos pedidos para selfies que lhe foram feitos pelos voluntários

Foto Rui Minderico/lusa

Meio milhão de portugueses a precisar de ajuda para comer é um "número muito muito elevado". Em visita ao Banco Alimentar Contra a Fome, em Lisboa, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou a solidariedade dos portugueses e defendeu que o Governo terá de estar atento à necessidade de novos apoios de emergência caso a inflação continue a subir ou a guerra se prolongue muito tempo.

"Uma coisa são apoios e intervenções de políticas públicas para situações mais graves: se a inflação estiver muito alta, se houver um problema de queda no crescimento económico muito significativa, se a guerra continuar... outra coisa é que no dia a dia as pessoas precisam destes apoios e o Estado e as autarquias por si próprias não estão em condições de dar", alertou o presidente da República, admitindo que estas iniciativas de solidariedade terão sempre de existir.

"Será sempre fundamental este tipo de campanha, aquilo que contribui para os portugueses mais necessitados em períodos de crise", disse, aludindo às mais de 400 mil pessoas que atualmente recorrem à ajuda do Banco Alimentar para comer, através de instituições de apoio.

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou os portugueses, tanto aqueles que contribuem com a compra de alimentos, como os cerca de 40 mil voluntários que estão a participar.

"Os portugueses nunca deixam de corresponder, são excecionais. Têm um grau de solidariedade único e que se testemunha anos após ano, campanha após campanha, aqui nos Bancos Alimentares", afirmou.

Dizendo que ainda é cedo para fazer o balanço de quantas toneladas de alimentos já foram doados, Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, reconheceu a generosidade dos portugueses pela sua colaboração na campanha.

O presidente da República esteve cerca de uma hora a visitar todo o armazém, dirigindo-se amigavelmente e conversando com os voluntários que ali se encontravam. Não deixou de aceder aos numerosos pedidos para selfies que lhe foram feitos, principalmente por parte das crianças que ali estavam.

A campanha, que conta com a ajuda de 40 mil voluntários, arrancou este sábado, prolongando-se até domingo. Além da recolha presencial nos supermercados, será possível contribuir até dia 4 de dezembro no site do Banco Alimentar e com a compra de vales nas lojas.

Relacionadas