Lisboa

Mineiro Aires vai presidir comissão de acompanhamento do novo aeroporto

Marisa Silva

Carlos Mineiro Aires, antigo bastonário da Ordem dos Engenheiros

Foto André Luís Alves / Global Imagens

Carlos Mineiro Aires, antigo bastonário da Ordem dos Engenheiros e atual presidente do Conselho Superior de Obras Públicas, vai liderar a comissão de acompanhamento responsável por fiscalizar os trabalhos da comissão técnica independente, que irá realizar as avaliações estratégicas ambientais das cinco localizações possíveis para o novo aeroporto.

A metodologia para a escolha do novo aeroporto de Lisboa, acordada entre o Governo e o PSD, pressupõe a criação de duas comissões, uma técnica e outra de acompanhamento. Carlos Mineiro Alves presidirá, assim, à Comissão de Acompanhamento que vai fiscalizar a Comissão Técnica Independente.

Em causa está o estudo das cinco opções apresentadas pelo Governo na passada quinta-feira, após a reunião do Conselho de Ministros. São elas: ter o Humberto Delgado como o aeroporto principal e o do Montijo complementar; tornar o Montijo como aeroporto principal e o Humberto Delgado como complementar; criar um novo aeroporto no campo de tiro de Alcochete; ter o Humberto Delgado com aeroporto principal e Santarém como complementar; ou criar um novo aeroporto internacional em Santarém.

A comissão técnica independente tem até final de 2023 para apresentar uma avaliação estratégica sobre as cinco soluções para o futuro aeroporto. Será com base nesse relatório que o governo tomará uma decisão sobre a melhor localização.

Segundo o "Jornal de Negócios", Mineiro Aires defende Alcochete como novo aeroporto internacional de Lisboa, posição que já terá sido manifestada publicamente enquanto ocupava o cargo de bastonário da Ordem dos Engenheiros. Em fevereiro de 2020, escreve o jornal, o engenheiro terá apontado vários argumentos a favor da localização. Entre eles, o facto de os aviões "não sobrevoarem áreas densamente habitacionais" e de ser uma zona onde o "choque contra aves não existe".