Governo

Sérgio Figueiredo vai receber mais de 5800 euros para assessorar Medina

JN/Agências

Sérgio Figueiredo

Foto Jorge Amaral/global Imagens

O antigo diretor de informação da TVI Sérgio Figueiredo vai auferir um salário superior a 5800 euros, enquanto consultor de políticas públicas do Ministério das Finanças. As primeiras informações davam conta que o antigo jornalista iria receber um valor equiparado ao do ministro, que recebe 4787 euros líquidos, mas esse valor será superior.

No total, "o contrato prevê uma remuneração total bruta de 139.990 euros, acrescidos de IVA à taxa legal em vigor, pagos em 24 prestações mensais", explica o Ministério das Finanças à TSF. Ao jornal "Público", o ministério argumenta que um prestador de serviços só recebe 12 vezes por ano, pelo que o valor será equivalente aos 14 salários anuais do ministro.

O jornal "Público" noticiou na terça-feira que o Ministério das Finanças contratou o antigo diretor de informação da TVI e ex-administrador da Fundação EDP Sérgio Figueiredo como consultor estratégico para fazer a avaliação e monitorização do impacto das políticas públicas.

Segundo o jornal, o contrato em questão é por ajuste direto e Sérgio Figueiredo iria auferir um ordenado ilíquido equivalente ao vencimento mensal de um ministro, correspondendo a 4.767 euros. Sérgio Figueiredo terá começado a desempenhar as suas funções a 29 de julho.

Ao "Público", o ministério tutelado por Fernando Medina confirmou a contratação de Sérgio Figueiredo, afirmando que o antigo jornalista irá "prestar serviços de consultoria no desenho, implementação e acompanhamento de políticas públicas, incluindo a auscultação de partes interessadas na economia portuguesa e a avaliação e monitorização dessas mesmas políticas".

O jornal avançou ainda que o contrato de Sérgio Figueiredo terá uma duração de dois anos e o antigo jornalista irá "ajudar a conceber e desenhar as políticas públicas do ministério de Fernando Medina, mas também monitorizar a sua execução e a perceção, em tempo real, que têm delas as partes interessadas".

Nascido em 1966, Sérgio Figueiredo já foi diretor do Diário Económico e do Jornal de Negócios, tendo também trabalhado para o canal televisivo RTP2. Entre 2007 e 2014 foi diretor da Fundação EDP e, entre 2015 e 2020, foi diretor de informação da TVI.

Relacionadas