Conselhos úteis

Antecipamos uma segunda vaga, é preciso proteger os mais vulneráveis

Antecipamos uma segunda vaga, é preciso proteger os mais vulneráveis

O impacto da pandemia da covid-19 ultrapassa o campo da saúde. Todos os aspetos da nossa vida foram e continuam a ser afetados - económico, social, familiar, profissional.

Esta pandemia expôs de uma forma implacável algumas falhas do nosso mercado de trabalho. Empresas de todos os tamanhos interromperam a sua atividade, reduziram o horário de funcionamento, reduziram os seus quadros de ativos. Muitas, sobretudo as de pequena dimensão, estarão à beira de colapso. Frequentemente, os primeiros a perder o emprego são aqueles cujo emprego já era precário.

Algumas pessoas, em situação irregular e que não descontam para a segurança social ou que tenham relações de trabalho informais, podem estar sob pressão para continuar a trabalhar, mesmo doentes. Alguns destes perderam o seu rendimento podendo ser pressionados a ter comportamentos de risco pela necessidade de por comida em cima da mesa. E todos nós sofreremos com isso - não só porque houve mais transmissão da doença, mas também porque a longo prazo aumentará a iniquidade.

Impedir o despedimento e proteger os trabalhadores vulneráveis são decisões que afetam a economia dos próximos anos e com esta, a saúde da nossa sociedade. Devemos garantir que toda a gente tem dinheiro suficiente para chegar ao fim do mês. Isso significa que os empregos se mantêm, mas também que os trabalhadores mais vulneráveis, profissionais liberais e trabalhadores em situação irregular, estão protegidos.

Em algumas situações, o teletrabalho oferece novas oportunidades, permite que o trabalhador continue ativo, que o trabalho continue a ser feito e que quem o fez continue a ser remunerado. No entanto é necessário que seja possível negociar esses acordos. É importante manter o equilíbrio com outras responsabilidades como cuidar dos filhos que não vão para o infantário ou estão em regime de telescola, ou até dos pais que estão dependentes.

Preparamo-nos para uma nova realidade, antecipamos uma segunda onda. Até lá, é necessário que também nos preparemos para que todos estejam seguros nos seus empregos.

"Poverty anywhere remains a threat to prosperity everywhere" ("A pobreza em qualquer lado continua a ser uma ameaça para a prosperidade em todo o lado", Guy Rider, Diretor da Organização Mundial do Trabalho). Nos próximos anos, a eficácia da nossa resposta à pandemia da covid-19 poderá ser julgada, não apenas com o número de infetados e o número de pessoas que morreu diretamente por covid-19, mas também pela forma como defendemos os mais vulneráveis.

Pneumologista

Outras Notícias