Concelho Cascais

António Capucho suspende mandato autárquico

António Capucho suspende mandato autárquico

O presidente da câmara de Cascais, António Capucho, anunciou hoje, sexta-feira, a suspensão do seu mandato por "razões estritamente pessoais", afirmando ainda que colocará o seu lugar no Conselho de Estado à disposição do líder do PSD.

"Lamento informar que, por razões de natureza estritamente pessoal, decidi solicitar a suspensão por um ano do exercício do cargo de presidente da câmara de Cascais, a partir de 1 de Fevereiro", afirmou António Capucho, na cerimónia de comemoração dos nove anos da sua governação.

"Deixei de reunir as condições físicas e anímicas para o exercício eficaz de funções a tempo inteiro tão absorventes e desgastantes como são as que decorrem do cargo para que fui eleito", acrescentou.

O autarca social democrata adiantou ainda que a sua decisão já tinha sido tomada no final do ano passado, mas só agora a tornou pública, por considerar inapropriado fazê-lo durante a campanha eleitoral de Cavaco Silva à Presidência da República.

Sobre o papel que desempenha como conselheiro de Estado, António Capucho disse que o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, é a pessoa mais indicada para avaliar a questão. "Tenciono colocar o meu cargo de membro do Conselho de Estado à disposição de Pedro Passos Coelho, pois considero que, nesta fase da vida política nacional, mais se justifica que o líder da oposição esteja presente naquele importante órgão do Estado", sustentou.

António Capucho, que se despediu hoje da sua vida de autarca, prometeu ainda continuar a participar na vida política e disponibilizou-se a apoiar a coligação Viva Cascais (PSD/CDS) e Passos Coelho, "se assim o desejar".

"A nível nacional vou acompanhar [a política] um bocadinho à distância, a não ser que me convidem para qualquer apoio, aí estarei disponível com certeza, já que deixo de ser membro do Conselho Nacional [do PSD]", justificou.

As funções de presidente da câmara de Cascais passarão a ser assumidas por Carlos Carreiras, vice-presidente, que terá as mesmas competências que foram delegadas a António Capucho aquando da sua eleição.

"Apelo para que possam dispensar a Carlos Carreiras o mesmo inequívoco e continuado apoio que me dispensaram", apelou Capucho.