O Jogo ao Vivo

Governo

António Costa diz que não dialoga com bastonário dos Médicos mas com os portugueses

António Costa diz que não dialoga com bastonário dos Médicos mas com os portugueses

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu, terça-feira, que o compromisso do Governo com a saúde "não é de palavras, é real", afirmando que não dialoga com o bastonário da Ordem dos Médicos, mas com os portugueses.

"O meu diálogo não é o com o bastonário. O meu diálogo é com os portugueses e o que eu digo aos portugueses é o que o nosso compromisso com a saúde e com a defesa do Serviço Nacional de Saúde é sagrado e não é de palavras, é concreto", afirmou António Costa, em Melgaço, distrito de Viana do Castelo.

Na segunda-feira, o bastonário dos Médicos referiu que o diretor clínico do Hospital de Gaia afirmou que ele e os 51 chefes de equipa do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho abandonam funções em 06 de outubro se o Governo não der nenhum "sinal positivo"

Questionado sobre os problemas existentes naquela unidade hospitalar, o primeiro-ministro disse não comentar caso a caso.

"Acho estranho que quem esteve tão calado quando houve um corte de 1% do PIB no investimento na saúde esteja agora tão agressivo quando invertemos a política: em vez de cortar investimos, em vez de não contratar, contratamos (...) e assim vamos continuar a trabalhar", disse.

O primeiro-ministro afirmou que "mais 9.000 profissionais não é uma abstração", sublinhando serem profissionais que "não estavam no Serviço Nacional de saúde e agora estão".

António Costa lembrou ainda que o Governo aumentou o número de consultas hospitalares, aumentou o número de camas disponíveis e reduziu de 14 mil para sete mil o número de portugueses sem médico de família.

Costa falava aos jornalistas à margem da inauguração da escola EB 2,3 e secundária de Melgaço, cuja requalificação representou um investimento de 1,3 milhões de euros.