Biografia

António Costa e Marques Mendes elogiam coragem política de Sampaio

António Costa e Marques Mendes elogiam coragem política de Sampaio

O primeiro-ministro António Costa e o antigo presidente do PSD Luís Marques Mendes coincidiram nos elogios "à coragem" e à capacidade de decisão que marcaram o percurso político de Jorge Sampaio.

Estas posições comuns a António Costa e a Marques Mendes foram transmitidas, esta sexta-feira à noite, durante a sessão de apresentação do segundo volume da biografia de Jorge Sampaio, livro da autoria do jornalista José Pedro Castanheira, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian.

A sessão contou com a presença do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, do fundador do PSD e antigo primeiro-ministro Francisco Pinto Balsemão, do presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Artur Santos Silva, do ex-coordenador do Bloco de Esquerda Francisco Louçã, do dirigente histórico comunista e membro do Conselho de Estado Domingos Abrantes, entre outras personalidades.

Na plateia, que se encontrava completamente cheia, estavam ainda o ex-presidente do Tribunal de Contas Guilherme D'Oliveira Martins, o ensaísta e conselheiro de Estado Eduardo Lourenço, o administrador da Caixa Geral de Depósitos Rui Vilar e o ex-líder parlamentar do PS Alberto Martins.

Falando após o jornalista José Pedro Castanheira, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro defendeu que Jorge Sampaio tem por vezes junto dos portugueses uma imagem de pessoa "amabilíssima e civilizadíssima, o que por vezes se associa a alguma indefinição pessoal".

"Indefinição pessoal por Jorge Sampaio não ter a característica de fazer discursos cortantes. Mas a verdade é que, em todos os momentos decisivos que enfrentou, Jorge Sampaio nunca hesitou", defendeu António Costa.

António Costa, que foi diretor da campanha presidencial de Jorge Sampaio em 1996, considerou que o antigo chefe de Estado "não hesitou quando decidiu candidatar-se a presidente da Câmara de Lisboa em 1989, triunfando depois nesse ato eleitoral".

"Também não hesitou quando, após a derrota do PS nas eleições legislativas de 1991, não aceitou a cómoda proposta de ser presidente do partido, entregando o cargo de secretário-geral a António Guterres. Mesmo sabendo que estava [perante António Guterres] em desvantagem quis ir à luta e contar votos", referiu o atual primeiro-ministro.

António Costa afirmou também que Jorge Sampaio tomou uma decisão de risco quando, ainda sem ter garantido o apoio do PS, anunciou a sua candidatura ao cargo de presidente da República, assumindo-se então como o candidato "de toda a esquerda" e fazendo depois com que Cavaco Silva tivesse nesse ato eleitoral a única derrota da sua carreira política.

"Vejo a carreira política de Jorge Sampaio com duas características que muito aprecio: Coragem política e frontalidade", declarou por sua vez o antigo ministro social-democrata Luís Marques Mendes.

Marques Mendes apontou como exemplos de coragem as decisões de Jorge Sampaio quando "não cedeu às pressões do PS" e nomeou Pedro Santana Lopes primeiro-ministro para suceder a Durão Barroso em 2004, e quando meses depois dissolveu a Assembleia da República.

"Mas Jorge Sampaio também resistiu às pressões para que o Procurador-Geral da República Souto Moura fosse demitido em consequência do processo Casa Pia", referiu.

Neste contexto, António Costa acrescentou que Jorge Sampaio "pondera tudo, o que não significa hesitação, mas rigor e exigência consigo próprio".

Outras Notícias