Nacional

António Saraiva: "O elevador social está longe de funcionar bem"

António Saraiva: "O elevador social está longe de funcionar bem"

"A pobreza em Portugal é ainda um problema estrutural e uma das razões é o facto de o elevador social estar longe de funcionar bem". Quem o diz é António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), no discurso que fez, esta quarta-feira, ao receber o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Lusófona, em Lisboa, numa cerimónia a que assistiu o primeiro-ministro António Costa.

Como solução para este problema, António Saraiva salientou o empreendedorismo, mas reconheceu existir em Portugal uma crescente dificuldade nesse domínio: "Tornar-se empresário em Portugal é uma tremenda aventura. Olhando para o sistema financeiro que temos, com a perceção do risco que tem, pergunto-me se seria possível hoje alguém nas circunstâncias que eram as minhas em 1996 adquirir com sucesso uma empresa nas condições em que o pude fazer. Temo que tenhamos retrocedido em vez de avançar neste domínio", confessou.

E apontou "todas as camadas de bloqueios burocráticos, de obrigações declarativas, de acumulação labiríntica de exigências absurdas que pesam sobre as empresas. Sem libertar as empresas desta tremenda carga, não nos podemos queixar da falta de iniciativa empreendedora dos nossos jovens e da crescente dificuldade em desenvolver mais e melhores empresas", alertou na sua intervenção, em jeito de recado ao Governo.

PUB

Referiu ainda a importância da educação como forma de combater as desigualdades sociais. "Como conseguir que o local de onde vimos não nos impeça de chegar ao destino que ambicionamos? Educação e formação são fundamentais", assegurou.

Empresas forte ajudam Estado social

António Saraiva reconheceu também a importância de um Estado Social forte como instrumento de combate à pobreza, mas ressalvou a insuficiência dos mecanismos de apoios sociais existentes. "[A preservação do fortalecimento do Estado Social] terá necessariamente de ser sustentada pelo aumento da criação de riqueza, que só pode ser proporcionado por empresas competitivas e com trabalhadores motivados, num ambiente de negócios propício à sua atividade" assegurou, acrescentando: "Só podemos ter um Estado Social justo com empresas fortes, inovadoras em produtos e processos, e que sejam reconhecidas nas políticas públicas como um motor de crescimento da economia."

António Saraiva é diretor da CIP desde janeiro de 2010. É vice-presidente da BusinessEurope, a Confederação de Empresas Europeias que representa as principais confederações de 35 países europeus e vice-presidente do Conselho Económico e Social. Completou o curso da Escola Industrial e iniciou a sua carreira na Lisnave, onde chegou a pertencer à Comissão de Trabalhadores.

Na cerimónia estiveram presentes o primeiro-ministro António Costa, o professor Mário Caneva Moutinho (Reitor da Universidade Lusófona), Manuel de Almeida Damásio (administrador e presidente da COFAC), e o professor Luís Reto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG