Pandemia

App StayAway Covid chega no início de agosto

App StayAway Covid chega no início de agosto

Aplicação móvel para detetar contactos de risco já tem enquadramento legal e inicia esta sexta-feira a última fase de testes num universo até 13500 participantes.

A aplicação (app) StayAway Covid, que servirá para detetar contactos de risco com infetados com o novo coronavírus, entra esta sexta-feira na última fase de testes, um dia depois de o Conselho de Ministros ter determinado em decreto-lei ser a Direção-Geral da Saúde a autoridade gestora do sistema, responsável pelo tratamento de dados. A aplicação móvel deverá estar disponível para utilização já no início de agosto, "a tempo das férias", de acordo com o presidente do Instituto de Engenharia de Sistemas de Computadores, Ciência e Tecnologia (INESC TEC), que lidera o desenvolvimento da app.

O decreto-lei regula também a intervenção do profissional de saúde no sistema da app, uma vez que lhe cabe validar o diagnóstico de infeção e garantir o anonimato dos dados através da entrega de um código ao paciente infetado que queira inserir essa informação na app. É desta forma, voluntária, que a app detetará entre os seus utilizadores os casos positivos de coronavírus e notificará os utilizadores que estiveram expostos ao vírus por contacto próximo: até dois metros de distância e por mais de 15 minutos.

A fase-piloto de testes arranca, esta sexta-feira, entre o universo de 13 500 participantes do estudo "Diários de uma pandemia" e de um inquérito para se conhecer a aceitação de uma app de rastreamento de infetados. Estes serão convidados por email a participar no derradeiro teste e a descarregar a versão demo, disse o presidente do INESC TEC, José Manuel Mendonça, ao JN.

A ideia é perceber se o sistema aguenta com uma sobrecarga de utilizadores e as dificuldades que possam ter, explica o responsável, que está confiante de que "não haverá impedimentos da parte tecnológica".

Proteção dos dados

A aplicação "garante a privacidade" dos cidadãos, uma vez que "os nomes e a localização não são registados", explicou, ontem, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

O utilizador notificado apenas "saberá que teve um contacto de risco há X dias e é aconselhado a contactar o sistema de saúde", explica José Mendonça.

O diploma do Governo vai ao encontro das recomendações da Comissão Nacional de Proteção de Dados e obriga a StayAway Covid a respeitar a legislação sobre proteção de dados e cibersegurança. A app estará disponível nos sistemas operativos iOS (em fase final de validação) e Android e utiliza como sensor de proximidade a tecnologia "bluetooth low energy".

Mais 339 casos

O boletim epidemiológico de ontem contabilizava mais três mortos por covid-19 e 339 casos positivos, 274 (81%) na região de Lisboa.

13 freiras infetadas

A Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena (Sintra) detetou 13 freiras e dois funcionários positivos.

Foco em Torres Vedras

Seis trabalhadores de um hipermercado do Grupo Sonae em Torres Vedras têm covid-19. Uma centena já foi testada e espera os resultados.

19 casos em Moura

Há mais três casos positivos em Moura (Beja): dois em Amareleja e um em S. Aleixo da Restauração.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG