Parlamento

Aprovado projeto-lei para aumentar proteção de menores contra abuso sexual

Aprovado projeto-lei para aumentar proteção de menores contra abuso sexual

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, um projeto de lei do PS que visa reforçar a proteção dos menores contra a exploração ou abuso sexual, tendo os partidos alertado para a necessidade de melhorias na especialidade.

Apesar de concordarem com a pertinência do projeto, os partidos foram também unânimes em defender um melhoramento do projeto de lei na especialidade, que baixa agora à Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

O presente projeto de lei introduz no ordenamento jurídico português um "conjunto de alterações com vista ao aperfeiçoamento das respostas existentes em matéria de proteção de menores contra a exploração e o abuso sexual", bem como na introdução de medidas aptas a impedir a "proliferação, através da Internet, de imagens lesivas da integridade dos menores, destacadamente de pornografia infantil".

No âmbito do Código Penal, é ampliada a jurisdição penal portuguesa aos crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual de menores cometidos por nacionais e aos crimes cometidos contra vítimas menores que vivam habitualmente em território nacional.

É também alterado o crime de atos sexuais com adolescentes no sentido de ser conferido a este caráter público e, no quadro da pornografia de menores, é "densificado o conceito e ampliado o tipo", inserindo-se o "alojamento e a disponibilização de fotografia, filme ou gravação pornográficos envolvendo menor, como atos puníveis.

O diploma dos socialistas consagra ainda deveres de informação e de bloqueio automático para os prestadores intermediários de serviços em rede.

O PAN considerou "fundamental que existam meios alocados e financiamento às diferentes instituições, seja o poder judicial para a efetivação e tramitação dos processos, seja no nível preventivo".

A deputada Mónica Quintela, do PSD, apontou que a proposta é "justificada e é muito bem-vinda", mas criticou, porém, a passagem a crime público dos atos sexuais com adolescentes, exemplificando: "Imaginemos um casal de namorados em que um tem 18 anos e o outro tem 15, ou em que um tem 19 e o outro está quase a fazer 16. Numa situação destas perguntamos, é avisado haver reação criminal por parte do Estado? Não nos parece".

Também o BE considerou que esta questão pode "abrir a porta a uma perspetiva de alguma forma conservadora que se arrogaria o direito de censurar relações sexuais, por exemplo, entre namorados".

Pelo PEV, a deputada Mariana Silva salientou que "é necessário reforçar as estruturas existentes, como é o caso das CPCJ, que necessitam de reforço de meios humanos, técnicos e materiais para que façam o seu trabalho de acompanhamento dos casos de proteção efetiva das crianças e jovens" e pediu "formação adequada" para professores e auxiliares, por forma a conseguirem "identificar os pedidos de ajuda".

Alinhando nas críticas à escassez de meios, o deputado da Iniciativa Liberal apontou que "é o PS a ser PS, legislação espetacular para lavar a consciência, implementação e fiscalização logo se vê".

Também o PCP salientou esta questão e, apesar de classificar o projeto de lei do PS como "interessante e útil", alertou que "importa que haja, da parte do Estado democrático, um empenho muito grande no combate a estes fenómenos através da disponibilidade dos meios necessários a todos os níveis".

A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira juntou-se a estas vozes, e pediu um maior "investimento no Estado para reforçar os organismos e as entidades para o combate ao abuso e violência sexual de menores".

O líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, aproveitou para reiterar a crítica à recusa de debate em plenário do projeto de lei do Chega que previa a castração química como pena para agressores sexuais, advogando que "todas as soluções, das mais radicais às menos radicais, poderiam e deveriam estar em cima da mesa" para a câmara "decidisse em absoluta liberdade".

André Ventura, do Chega, partilhou das críticas do CDS, mas sobre o diploma do PS disse que deixa "várias questões por resolver".

O socialista Pedro Delgado Alves reconheceu que existem matérias a "melhorar na especialidade", e respondeu a João Cotrim Figueiredo, da Iniciativa Liberal, que "cada vez que pede meios adicionais para o Estado um anjinho ganha asas".

Já a PSD e BE, o deputado do PS indicou que "ninguém pretende olhar para os casos de relações de namoro e ver aí problema, o problema é quando as situações não são essas e quando temos alguém que é menor, uma menor de 14 anos, que se depara com alguém que não é o seu namorado e que manifestamente não está na mesma faixa etária".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG