ARS

Centros de saúde do Norte sem vacinas contra a gripe

Centros de saúde do Norte sem vacinas contra a gripe

Administração Regional de Saúde do Norte confirma atrasos no fornecimento e prevê normalização até ao final desta semana.

Há centros de saúde na região Norte do país que não estão a administrar a vacina contra a gripe por atrasos no fornecimento. O JN sabe que há centros de saúde no distrito do Porto com dezenas de pessoas em lista de espera porque, logo no segundo dia da campanha de vacinação, que arrancou no passado dia 14 de outubro, ficaram sem vacinas.

Em resposta enviada por escrito ao JN, fonte oficial da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS) confirma a informação. "Apesar desta Administração Regional de Saúde estar a encetar todos os esforços para que a vacinação, na atual época gripal, decorra dentro da normalidade, verificam-se alguns atrasos das empresas fornecedoras, que sendo de curta duração, causam alguns constrangimentos, mas não comprometam a campanha de vacinação", esclarece.

Questionada sobre quando será reposto o fornecimento, a ARS-Norte disse prever que "ainda no decurso desta semana as unidades com maior escassez ou mesmo com falta da vacina venham a ser reforçadas com mais doses". De acordo com a mesma fonte, naquela região foram administradas, até ao dia de ontem, quarta-feira, 111.490 doses de vacina contra a gripe. O JN questionou também ontem o Ministério da Saúde, mas não obteve ainda qualquer resposta por parte da tutela.

Recorde-se que a época de vacinação contra a gripe arrancou, este ano, no passado dia 14 de outubro com dois milhões de vacinas disponíveis, 1,4 milhões dos quais a serem administrados, gratuitamente, nos centros de saúde, e o remanescente para venda nas farmácias. Pela primeira vez este ano estão disponíveis vacinas tetravalentes, que funcionam para quatro tipos de vírus da gripe (dois do tipo A e dois do tipo B), o que elevou o custo dos 1,4 milhões de doses para 11,3 milhões de euros, contra 4,8 milhões no ano passado, altura em que a vacina cobria apenas três tipos de vírus. Já as vacinas à venda nas farmácias são comparticipadas a 37%, custando ao utente, no máximo, 7,06 euros.

A vacina contra a gripe é gratuita para pessoas com idade igual ou superior a 65 anos de idades, doentes crónicos ou imunodeprimidos com seis ou mais meses de idade, grávidas, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados. Deve ser administrada durante o outono/inverno, "de preferência até ao fim do ano civil", de acordo com a norma emitida pela Direção-Geral da Saúde no início de outubro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG