O Jogo ao Vivo

Conselhos úteis

As outras ondas

As medidas que tomamos permitiram-nos ganhar tempo, ver quais as que tiveram sucesso ou falharam noutros países, garantir a resposta do SNS. Até que uma vacina eficaz chegue, a maioria da população não tem imunidade ao novo coronavírus - estamos essencialmente no mesmo ponto onde estávamos há cerca de um mês.

Estamos mesmo? Na realidade não. Estamos por um lado melhor, por outro lado pior.

Estamos melhor porque tivemos oportunidade de implementar uma série de medidas - aprendemos diferentes formas de trabalhar com grande relevo para o teletrabalho; os locais de maior risco, como os serviços de saúde, estruturaram respostas diferentes, tiveram oportunidade de adquirir material de proteção, definiram circuitos independentes para doentes infetados e não infetados; os locais públicos estão mais preparados para garantir maior segurança - distanciamento, higienização das mãos; a população mudou de hábitos, as pessoas distanciam-se, reduzem o número de visitas, lavam as mãos, usam máscara em locais públicos.

Aumentamos a nossa capacidade de deteção (somos dos países que mais testes diagnósticos faz), tivemos oportunidade de melhorar a nossa monitorização (tivemos oportunidade de detetar as ineficiências e corrigi-las).

Por outro lado, estamos pior. Há cerca de um mês começamos com casos isolados, sendo possível identificar o caso índice, os seus contactos, implementar as medidas de saúde pública adequadas com isolamento do doente e dos seus contactos. Hoje, a transmissão corre na comunidade não sendo possível identificar a cadeia de transmissão. Quando abrirmos as portas, não vamos ter um ou dois casos que vão crescendo dia a dia. Podemos ter uma sementeira a brotar por todo o lado. Só mesmo a adequada manutenção das medidas que tivemos tempo para apreender e interiorizar nos permitirão controlar eficazmente esta segunda onda.

A redução das restrições sociais é inevitável. Bem feita, de forma faseada, com manutenção das medidas de distanciamento, etiqueta respiratória, higienização das mãos, utilização de máscara em lugares públicos; com a proteção das pessoas mais vulneráveis e das mais expostas; com adequada monitorização que nos permita saber exatamente em que ponto estamos.

Pneumologista

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG