Sondagem

Assunção disputa a Rio o estatuto de líder da Oposição ao Governo

Assunção disputa a Rio o estatuto de líder da Oposição ao Governo

Os portugueses não confiam nos líderes partidários, mas António Costa acumula com o cargo de primeiro-ministro e disso tira algum benefício: metade dos inquiridos da sondagem da Pitagórica para o JN e a TSF aprovam a sua forma de governar.

Mais difícil está a vida para Rui Rio: é por uma unha negra que o dão como líder de uma Oposição que ainda por cima fica bastante mal na fotografia.

O presidente do PSD recolhe 31% dos votos nesta escolha para líder de uma alternativa de Governo. Mas tem Assunção Cristas a morder-lhe os calcanhares (27%). A líder do CDS está aliás à frente entre o eleitorado feminino com uma vantagem de seis pontos (28% para 22%). Já na Região Norte (32% para 19%) e no Grande Porto (36% para 25%) é Rui Rio quem mais ordena.

O líder social-democrata bem pode agradecer a escassa vantagem que recolhe entre a classe média, porque entre os mais ricos empata e entre os mais pobres perde para a centrista, ainda que por um escasso ponto (23% para 22%). Está também à frente entre o eleitorado de Direita (36% para 34%). Ao contrário, os eleitores que preferem o Bloco reconhecem em Assunção Cristas a líder da Oposição (29% para 23%).

Presente envenenado

Um presente envenenado, porventura, uma vez que a Oposição, globalmente considerada, tem uma péssima imagem entre os portugueses e em particular entre os bloquistas.

No conjunto da amostra há apenas 8% de apreciações positivas e 51% negativas (saldo negativo de 43 pontos). Os cidadãos mais velhos (45 anos em diante) são os mais críticos. Ao contrário, quanto mais pobres, mais suaves as críticas à Oposição.

Na análise por preferências partidárias, são os eleitores da CDU os mais benevolentes para a Oposição (mais do que os eleitores à Direita, ainda que todos com saldo negativo). Poderá argumentar-se que, apesar de os comunistas suportarem o Governo no Parlamento, uma parte do seu eleitorado prefere ver-se, ainda assim, como estando na Oposição.

Governo convence

Terá mais razões para sorrir António Costa do que o seu principal adversário. Por um lado, metade (50%) dos inquiridos aprova a forma de governar o país (37% desaprovam). Por outro, 28% avaliam o Governo de forma positiva, um ponto mais do que os que têm uma imagem negativa (27%). A maior fatia refugia-se numa avaliação neutra (45% optam pelo razoável).

No que diz respeito à pergunta sobre a forma como é governado o país, só há três categorias em que o primeiro-ministro e líder do PS não convence: os eleitores entre os 35 e os 44 anos e os que optam por partidos mais pequenos (43%, tanto a aprovar como a desaprovar o Governo) e, naturalmente, entre os apoiantes de PSD e CDS (saldo negativo de 40 pontos). No caso da CDU e do BE, a avaliação é largamente favorável a António Costa (32 pontos de saldo positivo).

Relativamente à avaliação do Governo, os pontos negros são mais frequentes. Os saldos negativos mais significativos são entre os eleitores na faixa do 35 aos 54 anos, na classe média, no Grande Porto e entre os que apoiam os dois partidos mais à Direita.