Estratégia Nacional

Aulas sobre alterações climáticas para funcionários públicos

Aulas sobre alterações climáticas para funcionários públicos

A Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020, apresentada esta tarde no Ministério do Ambiente, em Lisboa, define a inclusão de lições sobre alterações climáticas nos cursos e programas de formação contínua dirigidos aos funcionários públicos.

No capítulo "Administração Pública", menciona-se a intenção de "incorporar a Educação Ambiental (EA) de forma transversal e através de módulos específicos de cursos, nos programas em formação contínua dirigidos aos funcionários em regime de funções públicas e nos cursos de formação dos dirigentes superiores e intermédios".

A divulgação de matérias relacionadas com a preservação do ambiente parece, aliás, ter um propósito ambicioso que vai muito além das escolas. A Estratégia Nacional de Educação Ambiental, ENEA 2020, quer ter eco nas Forças Armadas e nas polícias. Pretende "promover a formação técnica e especializada aos diferentes ramos das Forças Armadas, no âmbito da sustentabilidade ambiental".

E ainda "aprofundar a formação prestada às forças policiais e agentes de proteção civil, que pela sua proximidade às comunidades, deve incluir a componente de educação e sensibilização ambiental".

No que toca à educação escolar, o documento de 26 páginas, que vai vigorar entre 2017 e 2020, e cuja consulta pública decorrerá em março e abril de 2017, dá especial relevância ao papel dos professores. Para tal, propõe formação contínua específica em EA para os todos os docentes. Sobre a introdução das matérias nos currículos dos estudantes, as indicações parecem ainda vagas.

Refere o Ministério do Ambiente que se vai submeter a consulta pública, durante o mês de janeiro de 2017, o Referencial de Educação para o Ambiente e Sustentabilidade, base que servirá para definir a implementação desta área da educação tanto na educação pré-escolar como nos ensinos básicos e secundários.

Está igualmente prevista a participação dos alunos em ações, programas e projetos que possam depois constar dos seus currículos com destaque e integrar os novos modelos de Certificado do 3.º Ciclo do Ensino Básico e do Certificado do Ensino Secundário.

Segundo o documento, os eixos temáticos do ENEA 2020 são a descarbonização, na qual se insere o clima e as alterações climáticas; a economia circular (gestão sustentável dos recursos; desmaterialização de processos, por exemplo); e a valorização do território.

Um dos compromissos assumidos, desde já, consiste em aumentar da autonomia energética. O documento lembra que em 2016, durante quatro dias consecutivos, o consumo interno do país foi fornecido apenas com energias renováveis. "Este esforço de melhoria da nossa eficiência energética aplica-se a todos, nomeadamente aos fornecedores, aos distribuidores de energia, aos operadores das redes de distribuição, aos comercializadores de energia a retalho e aos consumidores finais".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG