Covid-19

BE pede adiamento de exames e revisão das matérias avaliadas

BE pede adiamento de exames e revisão das matérias avaliadas

O Bloco de Esquerda propôs ao Governo o adiamento dos exames do ensino Secundário e que essas provas apenas avaliem matéria lecionada até 13 de março. Aliás, o BE defende que só deve contar para nota, em qualquer ano de escolaridade, os conteúdos lecionados em aulas presenciais.

O projeto de resolução do BE foi entregue esta quarta-feira no Parlamento. A deputada Joana Mortágua defendeu através de um vídeo a importância do país se preparar para um modelo de ensino à distância.

O BE considera que o Governo deve suspender as provas de aferição do ensino Básico (2.º, 5.º e 8.º anos) e as provas nacionais do 9.º ano. Relativamente aos exames do 11.º e 12.º que determinam o acesso dos alunos ao Ensino Superior, devem ser adiados para "uma data a definir" pelo Executivo em articulação com universidades e politécnicos pois terá consequentemente impacto no calendário das candidaturas.

Telescola deve ser prioritária

Além da avaliação, o BE `faz no projeto propostas de organização para um 3.º período em modo ensino à distância. A Telescola, consideram, deve ser a ferramenta de difusão de conteúdos prioritária, através de canal aberto, da TDT, "incluindo se necessário a ARTV", por a televisão ser um equipamento universal ao contrário do acesso à Internet.

Deve ser prevista a transmissão de conteúdos de todos os anos de escolaridade, divididos por horários pré-determinados. Esta aposta, sublinham os bloquistas, não deve invalidar que as matérias possam ser complementadas com outros conteúdos e exercícios disponibilizados numa plataforma única criada pelo Ministério da Educação.

Distribuição de computadores e envelopes RSF

"Sem prejuízo da distribuição de equipamentos", os alunos sem acesso à Internet e computador em casa podem realizar fichas de exercícios e trabalhos em papel e devolver às escolas através de "envelopes RSF".

O BE defende que os diretores de turma devem ser o único interlocutor entre a escola e os alunos. E que os prazos de entrega dos trabalhos devem ter em conta a dispensa de atividade aos fins de semana, libertando os alunos nesses dias.

Os alunos com necessidades educativas especiais devem ser sinalizados, acompanhados com tutores e receber "de imediato" equipamentos informáticos através de articulação entre as escolas e autarquias.

"Num momento tão difícil como o que estamos a atravessar é importante garantir que nenhuma criança fica para trás. Se cometêssemos um erro agora isso poderia prejudicar a vida de muitas crianças no futuro e é isso que temos todos de evitar para garantir uma Educação de qualidade, com justiça e com igualdade para todos", sublinhou Joana Mortágua.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG