O Jogo ao Vivo

Nacional

Bispo de Viseu diz que calamidade dos incêndios revela "povo incapaz de se governar"

Bispo de Viseu diz que calamidade dos incêndios revela "povo incapaz de se governar"

O bispo de Viseu, Ilídio Leandro, considerou, esta quarta-feira, que a calamidade dos incêndios florestais revela "um povo incapaz de se governar e de preservar a sua história e as suas ricas tradições".

Numa nota intitulada "Sejamos dignos da criação", Ilídio Leandro refere que o povo português é "envelhecido, sem capacidade de renovação", e que "se autodestrói, deixando queimar a natureza e destruir os bens da criação".

O prelado critica que se interiorizem "os sentimentos da 'inevitabilidade da desgraça', da 'pouca sorte' e do 'azar'", seja na época dos fogos, das cheias, das secas ou dos acidentes nas estradas.

"Agora, parece que aceitamos como inevitável que, com as florestas, ardam as aldeias, as casas... E até parece inevitável e natural a morte de dezenas e dezenas de pessoas", lamenta.

Na opinião de Ilídio Leandro, "importa acordar e recuperar as capacidades de superação dos limites que as sereias, mal-intencionadas", querem impor aos "sonhos de esperança e de libertação para a construção de um futuro melhor" dos portugueses.

"Precisamos de receber, com alegria e gratidão, de usar, com parcimónia e respeito, e de transmitir, melhorando e enriquecendo, os bens que recebemos" da natureza, acrescenta.

Neste âmbito, o bispo de Viseu considera que, tal como refere o hino de Portugal, os portugueses precisam de "lutar 'contra todos os canhões' e, na esperança, confiante, solidária e ativa, 'marchar, marchar'".

Ilídio Leandro mostra-se solidário com "todas as famílias e pessoas que sofrem, neste momento, as consequências dos terríveis acidentes provocados pelo fogo" e diz estar "unido, em oração e em saudade, a todas as pessoas que faleceram".

"Para todas as famílias e pessoas que sofrem quaisquer perdas, a minha unidade próxima, na confiança ativa e na esperança reconciliadora, convidando a que todos sejamos solidários, generosos e ativos nas necessárias e urgentes soluções", frisa.

Para todos aqueles que, ativa ou passivamente, são responsáveis por estas calamidades e as suas consequências, espera "a necessária, justa, positiva e proporcional compensação".

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 41 mortos e cerca de 70 feridos (mais de uma dezena dos quais graves), além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 vítimas mortais e mais de 200 feridos.