Europeias

Cristas acusa Costa de querer ir para a Europa para "não reparar estragos"

Cristas acusa Costa de querer ir para a Europa para "não reparar estragos"

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou, na terça-feira, o primeiro-ministro, António Costa, de já estar com os olhos na Europa para alegadamente ser presidente do Conselho Europeu e "não ter de reparar os estragos" da sua governação.

"Os olhos" do chefe do Governo e secretário-geral socialista "já não estão aqui porque não lhe interessa", estão "na Europa e na presidência do Conselho Europeu", afirmou Assunção Cristas, num jantar-comício no mercado de Cascais, no distrito de Lisboa, com centenas de simpatizantes e militantes do CDS-PP, um dos maiores de toda a campanha eleitoral centrista para as europeias de domingo, que tem Nuno Melo como cabeça de lista.

"António Costa não serve Portugal, serve-se de Portugal", "a sua ambição cega fala mais alto, colocando o interesse do país em segundo lugar", acusou perante uma plateia onde estavam deputados, ex-governantes e dirigentes nacionais do CDS-PP, incluindo Paulo Portas, antigo presidente do partido, um dos convidados a falar no jantar.

Para Assunção Cristas, António Costa "está a fazer uma campanha eleitoral à custa de todos" os portugueses, "mas, para ser presidente do Conselho Europeu", uma hipótese que, há duas semanas, o próprio afastou depois de vários jornais estrangeiros terem levantado essa possibilidade.

Logo a seguir, a líder dos centristas fez a pergunta e deu a resposta para explicar por que motivo António Costa tem "os olhos na Europa".

"Para quê? Para não ter de reparar os estragos da governação", afirmou, acusando ainda o primeiro-ministro de só lhe interessar "a sua própria carreira".

Assunção Cristas convidou os presentes a lerem os mais "recentes sinais" e enumerou-os, dado que a "economia desacelera, a balança comercial degrada-se, a conjuntura está pior e as esquerdas encostadas estão cada vez mais desencostadas".

E acusou o primeiro-ministro de tentar levar para a Europa a solução de Governo português, criticando a alegada cedência do executivo quanto à criação de impostos europeus.

Para a presidente dos centristas, as europeias de domingo são, "ao mesmo tempo, a primeira volta das legislativas" de outubro, por repto de António Costa, que está à frente de um Governo que "há muito deveria ter ido embora".

Um "Governo mau, que constrói ilusões e governa com base na família socialista" e "só tem um fim, a sua manutenção", desperdiçando a "melhor conjuntura".

O jantar-comício de hoje teve uma encenação diferente: Assunção Cristas e Nuno Melo entraram, lado a lado, descendo uma escada para o mercado de Cascais, e atrás, discreto, vinha o ex-presidente Paulo Portas, com o número dois da lista.

Antes do jantar, foi exibido um vídeo em que se viram momentos históricos do CDS, mostraram-se imagens de todos os líderes, de Amaro da Costa, Freitas do Amaral, Adriano Moreira, Manuel Monteiro e Paulo Portas.

Foi ainda feita uma homenagem a Dina, a cantora que compôs o hino dos centristas, que morreu este ano, aplaudida quase um minuto pelos presentes no jantar.