Europeias

Um milhão de europeus fora dos cadernos eleitorais britânicos

Um milhão de europeus fora dos cadernos eleitorais britânicos

Quase um milhão de cidadãos europeus e sete milhões de britânicos não se registaram para votar nas eleições europeias no Reino Unido em 23 de maio.

Os cidadãos europeus, jovens e pessoas sem casa própria são as categorias com números mais elevados de ausência dos cadernos eleitorais, segundo o estudo encomendado pelo movimento "Best for Britain", que faz campanha por um novo referendo sobre o Brexit e defende a permanência do país na União Europeia (UE).

O diagnóstico foi feito pelo analista político Matt Singh, conhecido pelas recentes previsões acertadas em eleições britânicas.

Singh calculou o número de pessoas elegíveis para votar nas eleições locais e europeias em todas as regiões britânicas e comparou com as estimativas de pessoas que podem votar nas eleições legislativas, nomeadamente britânicos e irlandeses.

"Porque os registos eleitorais contêm muitas imprecisões, estão registadas muito menos pessoas do que poderia parecer, tendo em conta a dimensão da população. Isto significa que milhões de pessoas elegíveis para votar não estão registadas para o fazer", explicou Singh, num comunicado.

As autoridades britânicas estimam que residam no Reino Unido cerca de 3,7 milhões de europeus, dos quais 2,7 milhões serão elegíveis para votar enquanto maiores de 18 anos, mas 900 mil ainda não se terão registado.

A taxa de abstenção dos cidadãos europeus poderá ainda ser maior porque, além de se recensearem como eleitores, têm também de responder e devolver à autoridade local ou preencher a versão eletrónica até terça-feira, 7 de maio, o formulário UC1 em que assumem o compromisso de votar apenas no Reino Unido e não nos respetivos países de origem.

"É um processo feito em duas fases e a maioria dos cidadãos europeus só completou a primeira, pelo que não poderão votar nas eleições", alertou, em declarações à agência Lusa, o presidente do movimento "New Europeans", Roger Casale, antigo deputado do partido Trabalhista.

Este movimento sediado em Bruxelas escreveu ao ministro do Gabinete, David Lidington, na quinta-feira passada, exigindo que o governo garanta o envio de cartões de voto a todos os cidadãos europeus recenseados e permita o preenchimento do formulário UC1 nas mesas eleitorais.

Se não for aceite, pondera avançar com um pedido de revisão judicial por entender que não está a ser respeitada a obrigação de promover o direito ao voto.

A questão foi levantada no parlamento britânico na quinta-feira passada, e a deputada trabalhista Jo Platt revelou que, até então, apenas 300 formulários UC1 tinham sido preenchidos, representando 0,015% dos eleitores europeus recenseados.

Roger Casale lembrou que, normalmente, as autoridades locais deveriam ter começado a enviar este impresso no início do mês, mas como a participação do Reino Unido nas eleições para o Parlamento Europeu só foi declarada recentemente devido ao impasse no processo do Brexit e ao adiamento da data de saída, os formulários só começaram a ser despachados por via postal em meados de abril.

Há cinco anos, apenas 328 mil cidadãos europeus votaram nas eleições europeias, admitiu o presidente do movimento "New Europeans" à Lusa, que considerou ser importante votarem em 23 de maio para se poderem pronunciar sobre o Brexit, pois não puderam participar no referendo de 2016, quando 52% dos eleitores britânicos determinaram a saída do Reino Unido da União Europeia.

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se nos 27 Estados membros entre 23 e 26 de maio, estando agendadas para 23 de maio no Reino Unido. Em Portugal realizam-se a 26 de maio.

Embora o governo britânico continue em negociações com a oposição do partido Trabalhista para encontrar um entendimento que permita aprovar um acordo de saída da UE, se este não passar até 22 de maio, o Conselho Europeu impôs como condição a participação britânica nas eleições europeias em troca de uma prorrogação do Brexit até 31 de outubro.

As autoridades portuguesas estimam que residam no Reino Unido cerca de 400 mil portugueses, dos quais cerca de 100 mil serão elegíveis para votar em qualquer eleição, incluindo para os representantes de Portugal no Parlamento Europeu.

O voto é presencial e poderá ser feito nos dias 25 e 26 de maio, entre as 8 horas e as 19 horas no sábado, e as 20 horas no domingo, nos consulados de Londres e Manchester.