Bruxelas

Macron quer presidente com experiência e credibilidade na Comissão Europeia

Macron quer presidente com experiência e credibilidade na Comissão Europeia

O presidente francês, Emmanuel Macron, rejeitou esta terça-feira pronunciar-se sobre quem apoiará na corrida à presidência da Comissão Europeia, defendendo, contudo, que o sucessor de Jean-Claude Juncker deverá ser alguém com experiência e credibilidade.

"Hoje não quero ter um debate sobre os nomes, quero ter um debate sobre o projeto", declarou à chegada à reunião informal dos chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE), em Bruxelas.

Sem querer pronunciar-se sobre candidatos específicos à nomeação para a presidência da Comissão Europeia, Emmanuel Macron defendeu que as diferentes sensibilidades políticas deverão apresentar pessoas que encarnem a ambição de renovar a Europa e que priorizem temas como "a emergência climática", as novas tecnologias, a criação de emprego e o crescimento, sem descurar medidas sociais como o salário mínimo, a proteção de fronteiras, as migrações e o aprofundamento da zona euro.

"Precisamos de mulheres e homens para encararem esta renovação e que tenham a experiência para o fazer. Estas são responsabilidades iminentes a nível europeu que exigem experiência, seja nos seus países, ou a nível europeu, uma experiência que permita que essas pessoas tenham credibilidade e 'know-how' [para exercer o cargo]", sustentou.

Para o Presidente francês, o resultado das eleições europeias de domingo reflete "uma nova etapa da União Europeia", uma em que pela primeira vez as duas grandes famílias europeias, o Partido Popular Europeu e os Socialistas & Democratas, não alcançam a maioria absoluta e precisam de aliar-se a outras forças, nomeadamente o novo ALDE/ Renaissance/USR+, que inclui o seu "Em Marcha!".

"Considero que o meu papel é o de unir. Temos de debater um projeto, uma plataforma de ação para todas as forças pró-europeias e temos de escolher a pessoa que o possa concretizar e que consiga uma dupla maioria, no Conselho Europeu e no Parlamento Europeu", concluiu.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia reúnem-se hoje em Bruxelas, num jantar de trabalho informal, para começar a discutir as nomeações para os mais altos cargos institucionais da UE na sequência das eleições europeias.

A reunião, com início às 18 horas locais (17 horas em Portugal continental), tem lugar menos de 48 horas após o encerramento das urnas e é um sinal claro de que o objetivo é tentar chegar o mais cedo possível, já em junho, a um compromisso sobre quem liderará nos próximos anos as instituições europeias, como explicou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, cujo posto é um dos que irá "mudar de mãos" na sequência das eleições europeias.

Numas negociações que se antecipam complexas, dada a maior fragmentação do Parlamento Europeu - que exigirá novas alianças -, a grande dúvida reside na "adesão" do Conselho Europeu ao modelo 'Spitzenkandidat', e saber se efetivamente os líderes europeus irão propor para a presidência da Comissão Europeia um dos candidatos principais apresentados pelas diferentes famílias políticas nas eleições deste ano.