Análise

O que deveria ter acontecido mas não aconteceu

O que deveria ter acontecido mas não aconteceu

Escrevo estas linhas e confirmamos aquilo que as sondagens há muito nos gritavam: o PS ganhou, a abstenção alcançou novo recorde, os dois maiores partidos da nossa democracia e as suas respetivas famílias políticas europeias com menos peso parlamentar, o centro-direita encostado às cordas e os populistas a ganhar terreno à escala continental.

Mas, desculpem-me os leitores, isto são old news. A novidade destas eleições não está no futuro, está no passado. Está nas lições que não aprendemos, nas perguntas que não respondemos e nas preocupações dos eleitores que ignoramos. Está naquilo que a campanha deveria ter sido e não foi. E o que é que ela deveria sido?

(1) Um período de diferenciação clara entre os que defendem o projeto europeu e os populistas e extremistas que só o procuram destruir sem apresentar alternativa.

(2) Um debate sobre a alternativa ao modelo de defesa Europeu quando os Estados Unidos aliviam a sua presença no Velho Continente e viram a sua atenção para o Pacífico.

(3) Um esclarecimento sobre a posição de cada partido em relação ao aprofundamento da construção europeia, nomeadamente em relação à gestão do euro, dívidas nacionais, desequilíbrio das balanças correntes e união bancária.

(4) Uma clarificação dos principais partidos em termos da redefinição dos critérios de distribuição dos fundos europeus, bem como do reforço do orçamento da UE.

E (5), em vez de arruadas, mercados, e megajantares, eu gostaria que existisse uma verdadeira preocupação de explicar a todos os portugueses a importância e o impacto da Europa nas nossas vidas. Talvez assim mais cidadãos fossem às urnas e contribuíssem para o robustecimento do edifício democrático europeu. Estas eleições foram mais uma oportunidade perdida. Mas tenho esperança que em 2024 se possa fazer a diferença. E assim começar, de uma vez por todas, a construir uma opinião pública europeia capaz de prosseguir com o projeto de sociedade mais sustentável, equilibrado e justo que o Mundo já viveu.