Sondagem

Diferença entre Costa e Rio cai para metade

Diferença entre Costa e Rio cai para metade

António Costa e Rui Rio só estão separados por 7,5 pontos percentuais. Segundo a sondagem da Pitagórica para o JN, TSF e TVI, o PS lidera mas continua a descer (36%) e o PSD a subir (28,5%).

Quantos aos restantes partidos, não há alterações nas posições relativas, mas há tendências diferentes: o BE está firme no terceiro lugar (10,5%); em quarto, fica a CDU, que volta a cair (6,8%); o CDS ainda está em quinto mas afunda-se mais um pouco (4,4%); com o PAN, em sexto, a morder-lhe os calcanhares (3,7%).

Um pouco mais abaixo, entre os que lutam pelo prémio de chegar pela primeira vez ao Parlamento, também há novidades. Desde logo, os percursos inversos de dois partidos de Centro Direita: o Iniciativa Liberal ganha alguma tração (1,2%), ao mesmo ritmo que a perde o Aliança (0,5%). Mais à Esquerda, o Livre chega aos 0,9%.

De 14 para 7,5 pontos

Talvez seja um pouco cedo para saber se o PSD está em condições de se bater com o PS pela vitória, uma vez que a "tracking poll" vai apenas na quarta entrega. Ou talvez seja tarde, uma vez que falta apenas semana e meia para as eleições. Sem profecias, o que os números nos dizem é que neste arranque de campanha eleitoral, a diferença entre os dois maiores partidos cai para metade: começou nos 14 pontos percentuais no sábado, vai nos 7,5 pontos esta terça-feira.

A queda do PS (4,6 pontos em quatro dias) tem sido mais rápida do que a subida do PSD (1,9 pontos), mas ambas se sucedem de forma contínua. No que diz respeito aos socialistas, nunca estiveram tão em baixo nas sucessivas sondagens que a Pitagórica fez para o JN, desde abril. E estão agora (36%) mais próximos dos resultados pouco convincentes das últimas europeias (33,3%) e até das legislativas de 2015 (32,3%).

Relativamente aos sociais-democratas, é claramente a melhor marca desde abril (28,5%) e bastante acima do resultado para o Parlamento Europeu (21,9%). Para surpresa de muitos, se esta projeção se cumprisse Rui Rio já estaria ao nível dos resultados de Santana Lopes em 2005 (28,7%) e de Manuela Ferreira Leite em 2009 (29,1%). O que também nos diz algo sobre as expectativas à partida.

PS confortável em Lisboa

Quando se analisam as intenções de voto diretas (sem distribuição de indecisos) dos diferentes segmentos e se compara o que acontece entre PS e PSD, percebem-se melhor as mudanças. No que diz respeito aos escalões de rendimento, socialistas e sociais-democratas continuam a estar no lado contrário do espelho: assim, quanto menor é o rendimento do eleitor, maior é o apoio a Costa; Rio faz o percurso ao contrário e tem mais adeptos, quanto mais recebem os inquiridos. Mas já lidera entre os de maior rendimento, o que não acontecia no arranque desta sondagem diária.

Quando é a idade que está em análise, a principal diferença continua a registar-se entre os que têm 55 ou mais anos (e este é o maior segmento da amostra): o PS tem mais 10 pontos que o PSD. Mas a diferença já foi de 20 pontos. Os sociais-democratas só lideram entre os eleitores dos 45/54 anos (dois escassos pontos).

Finalmente, no que diz respeito à divisão geográfica, a primeira nota vai para a recuperação da região Norte pelo PS (ainda que seja por apenas um ponto percentual). Ao contrário, é notória a aproximação do PSD nas regiões do Porto e do Centro (a um ponto da liderança). Só em Lisboa a luta continua desigual, uma vez que Costa se mantém 13 pontos à frente de Rio.

É importante salientar, no entanto, que a análise por segmentos deve ser lida com reservas, uma vez que se trata de amostras com um número reduzido de inquiridos.

PAN a "morder" o CDS

Quando se olha mais para baixo na tabela, verifica-se que o PAN já morde os calcanhares ao CDS. Mais por erosão dos centristas, que perderam quase um ponto nestes quatro dias (têm agora uma projeção de resultado de 4,4%), do que por fulgor dos animalistas/ambientalistas, que estão praticamente no mesmo patamar, ainda que com um recorde nas sondagens da Pitagórica para o JN (3,7%).

Quando se compara os resultados dos dois partidos no voto direto, sem distribuição de indecisos, o PAN já está à frente nas faixas etárias dos 18/34 anos e na dos 45/54 anos; o mesmo acontece nas regiões, Norte, Sul e Lisboa (4,6% no maior círculo eleitoral do país).

A confirmar-se um resultado deste calibre a 6 de outubro, Assunção Cristas corre sério risco de ficar associada ao regresso do "partido do táxi"- foi precisamente 4,4% o resultado do partido nas eleições de 1987 e 1991. Com a agravante de então existir um primeiro-ministro chamado Cavaco Silva, que secou todo o Centro Direita à sua volta, com votações superiores a 50%, enquanto agora o rival é Rui Rio, que, até ver, luta apenas por chegar à casa do 30%.

BE surpreende pela positiva

O terceiro lugar na sondagem diária (como aconteceu em todos os barómetros desde abril) é do BE, que cresce 1,7 pontos em quatro dias e estabiliza agora nos 10,5%. E há algumas informações adicionais que ajudam a explicar quer o resultado, quer a tendência de subida.

Por exemplo, só há dois líderes partidários com um saldo positivo na exposição mediática (diferença entre quem melhorou e piorou a sua opinião): um é Rui Rio (14,3), outra é a coordenadora do Bloco, Catarina Martins (2,3). Todos os outros estão em terreno negativo.

Mais: quando se pergunta aos portugueses quem é o político com a melhor performance nesta campanha eleitoral, Catarina Martins também arranca o terceiro lugar (11,6%), ainda que longe dos dois primeiros (Costa, com 34,9%; e Rio, com 21,5%).

Finalmente, quando a questão é sobre o partido que está a surpreender pela positiva, quem fica na frente é o Bloco (9%), seguido do PSD (6,8%) e do PAN (6%). Sendo certo que entre os inquiridos que não respondem e os que se recusam a identificar um partido, a soma é de dois terços (67%), o que limita as conclusões.

Liberais e Livre à espreita

Entre os pequenos partidos com possibilidade de estreia no Parlamento, destacam-se nesta altura o Iniciativa Liberal (1,2%) e o Livre (0,9%). Não tanto pela projeção de resultado a nível nacional, antes por conseguirem resultados promissores em alguns segmentos (intenção direta de voto, sem distribuição de indecisos).

O Iniciativa Liberal de Carlos Guimarães Pinto tem melhores resultados entre a faixa etária dos 35 aos 54 anos (1,9%) e sobretudo entre os que têm mais rendimentos (3,1%). E na região de Lisboa, poderia chegar aos 2%. O PAN elegeu o seu único deputado, com 1,97% no círculo da capital, em 2015.

O cenário é, neste particular, semelhante ao do Livre, cujo líder é Rui Tavares, mas a cabeça de lista por Lisboa é Joacine Katar Moreira: também marca 2% na intenção de voto no maior círculo eleitoral do país, que este ano até tem mais um deputado do que há quatro anos. É também na faixa etária dos 35 aos 54 anos que o Livre consegue mais apoio (1,9%), embora, na posição inversa ao do Iniciativa Liberal, sejam os de menor rendimento o que estão mais dispostos a entregar o seu voto (1,8%).

64,8%

O "não" a uma maioria absoluta continua inabalável. Incluindo entre os socialistas (55%). Mas também é certo, segundo os inquiridos, que é o PS que vai vencer estas eleições legislativas (75,7%).

25%

O número de indecisos permanece estável e elevado: um em cada quatro eleitores ainda não sabe em quem votar. As mulheres (27,6%) continuam mais indecisas que os homens (22,2%).

86%

A esmagadora maioria dos portugueses acompanha o que se passa na campanha eleitoral. Os mais atentos são os eleitores da CDU (93,3%), os que vivem em Lisboa (89,4%) e os da faixa etária 35/44 anos (88,4%).