Eleições

Esquerda é quem mais gasta em anúncios no Facebook. PSD e CDS quase em branco

Esquerda é quem mais gasta em anúncios no Facebook. PSD e CDS quase em branco

O Bloco de Esquerda, através da página oficial do seu órgão informativo, Esquerda.net, foi o partido que mais gastou em anúncios na rede social Facebook (14582 euros), seguindo-se o Partido Socialista com 4786 euros. PSD e CDS quase em branco.

Entre março deste ano e 21 de setembro, apesar de não haver informações disponíveis sobre anúncios publicados na página do BE ou da coordenadora do partido, Catarina Martins, a página da Esquerda.net, órgão informativo do partido, investiu 14582 euros em 38 anúncios, de acordo com a informação disponibilizada na biblioteca de anúncios do Facebook.

Esta biblioteca compila todos os anúncios pagos que tenham sido feitos naquela rede social desde março de 2019, permitindo verificar quais foram as entidades que investiram neste tipo de propaganda, quanto foi despendido, o número de anúncios que foram criados e se ainda se encontram ativos.

Do total gasto pelo BE em publicidade no Facebook, foram investidos 528 euros em cinco anúncios entre 9 de setembro e segunda-feira, dos quais apenas um ainda se encontra ativo.

Os socialistas foram a segunda força política que mais investiu em anúncios pagos, gastando 4786 euros em 63 anúncios, ao longo de sete meses.

Deste valor, 4451 euros estão identificados como tendo sido pagos pela própria página do partido, não havendo referência em relação aos restantes 355 euros gastos.

A informação disponibilizada mostra também que o PS investiu recentemente 314 euros num anúncio publicado em 17 de setembro e que se encontra ativo.

Já a página do secretário-geral do PS, António Costa, investiu 790 euros em três anúncios publicados em julho.

A lei que regula a propaganda eleitoral através de meios de publicidade comercial em período eleitoral explicita que a partir de 1 de agosto - data em que foi publicado em Diário da República o decreto-lei que marcou as eleições legislativas para 6 de outubro - é "proibida a propaganda política feita direta ou indiretamente através dos meios de publicidade comercial".

No entanto, o mesmo diploma exclui da proibição anúncios publicitários, "como tal identificados, em publicações periódicas" que utilizem apenas a "denominação, símbolo e sigla do partido, coligação ou grupo de cidadãos e as informações referentes à realização de um determinado evento", assim como anúncios publicitários nas estações de rádio, redes sociais e "demais meios de expressão" através da Internet.

A informação apresentada no relatório deste repositório mostra também que a Iniciativa Liberal investiu 2745 euros em 61 anúncios pagos e a Coligação Democrática Unitária (CDU) 1149 euros - dos quais apenas 477 euros têm a referência de ter sido pagos pela própria página - em 49 anúncios. A CDU gastou ainda 270 euros entre 10 e 16 de setembro para publicar um anúncio.

O partido Livre gastou 420 euros para se promover 11 vezes no Facebook, dos quais dois anúncios foram publicados em setembro.

Em relação ao Partido Social-Democrata, apenas foram investidos 350 euros entre março e 21 de setembro, não existindo qualquer referência a investimento feito pelo sociais-democratas na página do líder do partido, Rui Rio.

Já página oficial dos centristas naquela rede social publicou apenas um anúncio, em abril, cujo investimento não ultrapassou os 100 euros. A líder do partido, Assunção Cristas, tem dois anúncios publicados, em junho, nos quais não foram gastos mais de 100 euros.