O Jogo ao Vivo

Sondagem

PS cai dois pontos de um dia para o outro

PS cai dois pontos de um dia para o outro

A distância entre António Costa e Rui Rio voltou a cair e é agora de 12 pontos. De acordo com a sondagem diária da Pitagórica para o JN, TSF e TVI, o PS desce para 38,7%. O PSD chega aos 26,8%.

A "tracking poll" só vai no segundo dia e já regista um pequeno abalo sísmico. O PS perde dois pontos percentuais de um dia para o outro, beneficiando o PSD, que praticamente não se mexeu (sobe apenas duas décimas).

No cruzamento do calendário político com o trabalho de campo da sondagem pode estar a explicação para este castigo aos socialistas. Recorde-se que a metodologia da "tracking poll" implicou excluir os primeiros 150 inquiridos, entrevistados na passada terça-feira. E foi só na quarta-feira que rebentou, de novo, o escândalo da "Aldeia Segura".

Faça-se a síntese da informação com que foi confrontada, já não uma parte, mas a totalidade da amostra: uma operação policial de larga escala; dois milhões de euros de ajustes diretos sob suspeita; a memória recuperada dos vários casos de negócios de familiares de governantes com o Estado; um secretário de Estado constituído arguido e demitido; manchetes nos jornais e abertura de noticiários televisivos.

Consequência aparente (uma vez que aos inquiridos não se pergunta se mudaram o seu sentido de voto): menos dois pontos para o PS na sondagem. Se a sangria acaba aqui, se continua, ou até se a situação se inverte, os próximos dias dirão. E saberá sempre em primeira mão, às 20 horas, na edição online do JN.

PSD líder nos 18-34 anos

Para os socialistas as más notícias não param, no entanto, por aqui. Os resultados explicados mais acima resultam de uma projeção com base na distribuição proporcional de indecisos (que estão outra vez a crescer). Se olharmos para a intenção direta de voto, sem qualquer tratamento, a perda do PS é de quase três pontos percentuais. De um dia para o outro.

Na análise por segmentos, ainda assim, os socialistas respiram um pouco mais tranquilos. No que diz respeito às faixas etárias, o PSD só está à frente nos 18-34 anos. Mas o PS tem uma diferença esmagadora entre os que têm 55 ou mais anos: são mais 20 pontos percentuais.

Numa base regional, se é verdade que os sociais-democratas passam para a frente no Sul do país, a vantagem socialista nas regiões urbana de Porto e Lisboa é bastante sólida (11 e 15 pontos, respetivamente).

É importante salientar, no entanto, que a análise por segmentos deve ser lida com reservas, uma vez que se trata de amostras com um número muito reduzido de inquiridos.

Bloco recupera da queda

O maior beneficiário líquido da queda do PS e da subida do número de indecisos é claramente o BE. O Bloco arrancou para esta sondagem diária com uma quebra de cerca de um ponto percentual relativamente ao barómetro publicado há uma semana, mas já o recuperou e marca agora 9,7% (falta meio ponto para chegar ao resultado de 2015). CDU (6,9%) e CDS (5,5%) ficam praticamente iguais, mas ainda assim com ligeiras subidas.

O PAN é, entre os partidos mais pequenos com assento parlamentar, o único que perde. Desce meio ponto de um dia para o outro e está agora nos 3,1%. Para os que tenham a expectativa de um acordo parlamentar ou de governo entre socialistas e os animalistas/ambientalistas, a soma dos dois dá agora 41,8%, bastante longe dos quase 47 pontos que marcavam em agosto.

Entre os partidos que procuram um lugar ao sol no Parlamento, só há boas notícias para o Iniciativa Liberal de Carlos Guimarães Pinto, agora com um redondo 1%, tantos como o Aliança de Pedro Santana Lopes, que continua a sua queda.

O Chega de André Ventura estagnou no meio ponto a nível nacional: com destaque para a região de Lisboa, onde marca 1,3% na intenção direta de voto (sem distribuição de indecisos), tal como o Iniciativa Liberal.

25,9%

O número de indecisos volta a subir (são mais 3,5 pontos percentuais de um dia para o outro). Um crescimento que é mais notório nas mulheres, que são de forma recorrente mais indecisas (29,5%) do que os homens (24,4%). Por faixas etárias, até aos 44 anos, a indecisão anda sempre na casa do 30 ou mais pontos percentuais. Daí em diante, ou seja, entre os mais velhos, é de 20 pontos ou menos.

16,9

É o saldo positivo de Rui Rio entre os que melhoraram ou pioraram a sua opinião sobre o líder do PSD por estes dias. Por comparação, António Costa está bastante pior, com um saldo negativo de 7,9 (há mais eleitores a mudarem a sua opinião para pior do que para melhor). Esta segunda-feira, recorde-se, há frente a frente entre os dois. Oportunidade para reforçar ou reverter o resultado, consoante o personagem.