Nacional

Catroga enviou carta ao ministro da Presidência a sugerir privatizações

Catroga enviou carta ao ministro da Presidência a sugerir privatizações

O economista Eduardo Catroga enviou na terça-feira uma carta ao ministro da Presidência na qual reitera a necessidade de obter respostas para acompanhar as negociações com a 'troika' e onde sugere medidas como as privatizações.

Na carta de seis páginas, o antigo ministro das Finanças Eduardo Catroga apresenta várias sugestões que o PSD considera importantes para o programa de ajuda externa na área da consolidação orçamental, sistema bancário e financiamento da economia, crescimento económico e reformas estruturais tais como as privatizações, que o partido entende que devem ser programadas.

O ex-ministro das Finanças escreve que o "PSD entende que as privatizações devem ser programadas, não só como uma fonte de financiamento para a redução de dívida pública, mas sobretudo, como uma via para a melhoria da eficiência global da economia".

De acordo com o PSD, o programa de privatizações do Governo "deve ser ampliado em todos os segmentos do sector empresarial do Estado".

Na carta enviada ao ministro Pedro Silva Pereira, Eduardo Catroga volta a pedir ao Governo que forneça informação já solicitada no passado dia 13 para que o partido possa fazer o "devido acompanhamento dos trabalhos em curso e para avaliação das medidas que virão a ser necessárias, face à verdadeira situação das contas públicas".

O PSD considera também que os resultados divulgados da execução orçamental de Março "muito imperfeitos para que possa ser feita uma análise cuidada" e reitera que é "condição incontornável que as projecções constantes do chamado PEC IV do Governo sejam devidamente corrigidas".

Sublinhando a necessidade de corrigir "as projecções constantes no chamado PEC 4" sobretudo em relação ao défice público, à dívida pública e às necessidades de financiamento do país, Eduardo Catroga sublinha ser imprescindível que o programa da Missão aposte na retoma e não no aumento do financiamento.

PUB

O PSD pede que o programa de resgate financeiro seja "adaptado às especificidades da economia portuguesa", tendo em conta o "ajustamento macroeconómico", o "fortalecimento do sistema bancário" e "a implementação de políticas estruturais de qualidade que reforcem a estrutura produtiva do país".

O responsável do partido que tem negociado com a 'troika' quer também que o programa do resgate inclua a possibilidade de o próximo Governo ter flexibilidade "para fazer propostas de alteração" das políticas de despesa e receita.

Por outro lado, o PSD acha que se deve apostar em reduzir a despesa do Estado e não em aumentar a receita, considerando que eventuais aumentos da receita provenientes da reestruturação do IVA e da dos benefícios fiscais só devem ser feitos caso a taxa social única seja reduzida.

Na carta, Eduardo Catroga defende que as empresas exportadoras devem ter prioridade em receber financiamento, devendo para isso ser feita uma "reorientação estratégica da CGD e a desalavancagem do SEE (Sector Empresarial do Estado) junto do sistema bancário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG