O Jogo ao Vivo

Fundos europeus

CCDR-N discute estratégia com líderes da Administração Pública

CCDR-N discute estratégia com líderes da Administração Pública

Com os fundos europeus e a "bazuca" em vista, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) vai reunir-se amanhã, sexta-feira, com cerca de duas dezenas de altos dirigentes de entidades públicas. Em cima da mesa estarão as prioridades do Norte para os próximos anos e a reivindicação do Conselho Regional de autonomia na gestão dos recursos para a região.

Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Turismo de Portugal, Agência para o Desenvolvimento e Coesão, Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Comissão de Cidadania e Igualdade de Género ou direções regionais da Cultura e da Agricultura e Pescas, do Instituto de Emprego e Formação Profissional ou Administração Regional de Saúde do Norte estão entre os pesos pesados da Administração Pública que reunirão amanhã, sexta-feira, em formato virtual, com António Cunha, presidente da CCDR-N. Estarão também presentes as entidades intermunicipais da região.

A reunião retoma, ainda que de modo informal, o Conselho de Coordenação Intersetorial, que tem estado sem atividade, nos últimos anos. Informal porque António Cunha já propôs ao Governo a reformulação das entidades que gostaria de incluir neste conselho. Essa proposta e o modelo de funcionamento desenhado (reuniões semestrais e mecanismos de troca corrente de informação), serão um dos pontos da ordem de trabalhos.

Os restantes têm a ver com o financiamento comunitário: o fecho do Portugal 2020, cuja taxa de execução a Norte era de 42%, em dezembro, mas tem que estar todo no terreno até ao fim de 2023; o próximo período de programação financeira, o Norte 2030, cuja estratégia regional foi aprovada no final do ano passado; e a gestão de 7,8 mil milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) que o Conselho Regional do Norte quer ver geridos a partir da região.

O modelo de governação do PRR foi aprovado em Conselho de Ministros, na semana passada e o JN questionou já o Ministério do Planeamento, mas ainda não teve resposta. Também ainda se sabe ainda qual será a distribuição regional dos fundos do Portugal 2030.

A consulta de amanhã, sexta-feira, segue-se a várias outras, já feitas, junto de personalidades da região. António Cunha tem na agenda outros encontros, nomeadamente com representantes do setor social.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG