Nacional

CDS apresenta (outro) desconto para a TSU dos patrões

CDS apresenta (outro) desconto para a TSU dos patrões

O CDS entregou, esta quinta-feira, um projeto-lei que prevê uma redução da TSU dos patrões em 0,75%. A proposta surge um dia após o Parlamento chumbar o decreto-lei do Governo que estabelecia um desconto também das contribuições das empresas para a Segurança Social.

Os centristas pretendem que se mantenha a redução da Taxa Social Única (TSU), que está em vigor desde 2014 e que os socialistas renovaram no ano passado.

No documento, apresentado pelo deputado Pedro Mota Soares, o CDS justifica a abstenção de quarta-feira, em relação aos pedidos de cessação de vigência do BE e PCP, pela "coerência e a responsabilidade que sempre teve em relação a esta matéria".

E lembra-se que a diminuição de 0,75% da TSU foi criada pelo Executivo PSD/CDS, há três anos, quando aumentou o Salário Mínimo Nacional, "após vários anos de congelamento do mesmo pelo antecedente Governo socialista".

Questionado se os centristas esperam ver o PSD a votar favoravelmente esta proposta, depois de ter chumbado o desconto de 1,25 pontos percentuais da TSU, Mota Soares defendeu que foi "o Governo esteve francamente mal", que "não tentou saber se no Parlamento o acordo da Concertação Social teria concordância" dos partidos à Esquerda.

O CDS entregou ainda outros três projetos, com os quais o partido "demonstra a sua preocupação com a economia".

Um primeiro que estabelece que nos acordos de cooperação entre o Estado e o setor social - misericórdias, instituições particulares de solidariedade social e as mutualidades -, para o biénio de 2017/2018, não pode haver um aumento do financiamento inferior aos 2%.

PUB

Considera o CDS que muitas destas instituições dependem do Estado ou das famílias e "se o Estado falhar é às famílias que irão ter de ir buscar mais financiamentos".

A segunda proposta passa por colocar a taxa do IRC em 20%, seguindo a aposta da coligação PSD/CDS em 2015, que era atingir a médio prazo um valor entre os 17% e os 19%, "por forma a torná-la numa das mais competitivas da União Europeia".

E, por último, um projeto que visa alterar o pagamento especial por conta (PEC), em sede de IRC, estabelecendo um limite mínimo de 500 euros. Uma proposta que surge no mesmo dia em que o Conselho de Ministros aprovou uma descida de 100 euros do PEC, que neste momento momento tem um limite mínimo de 850 euros, como alternativa ao chumbo da TSU.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG