Parlamento

CDS questiona Governo sobre realização de festa do Avante

CDS questiona Governo sobre realização de festa do Avante

Bancada do CDS-PP quer saber se António Costa vai beneficiar um partido e criar exceção à proibição de realização de festivais e espetáculos até ao fim de setembro.

O PCP ainda não pôs de lado a realização da festa do partido, em setembro, mas o CDS já quer saber se o Governo vai autorizar uma exceção para o evento.

Em pergunta oficial enviada pelo grupo parlamentar ao primeiro-ministro, os centristas questionam se, "como nas comemorações do 1.º de maio", o Governo irá admitir a festa do jornal oficial do PCP e, se assim for, irá beneficiar um partido político em concreto, em detrimento de outras entidades.

"O Governo, não obstante a proibição dos festivais constante da proposta de lei aprovada no Conselho de Ministros do passado dia 7 de maio, e que deverá vir a ser aprovada pela Assembleia da República, tenciona autorizar a título excecional a realização da festa do jornal oficial do PCP - Avante?", enuncia o CDS.

A proposta referida proíbe a realização de festivais e espetáculos análogos até ao final de setembro, abrangendo portanto o período de realização habitual da festa do Avante, este ano marcada para 4, 5 e 6 de setembro, no Seixal.

"Sendo assim, não considera o Governo que está a criar regras de benefício para um partido político em concreto, ao contrário da proibição estabelecida para a generalidade das entidades promotoras?", questiona o partido centrista.

Há dias, o primeiro-ministro António Costa admitiu que o evento comunista poderá obedecer a regras impostas pela Direção Geral de Saúde (DGS) para realizar-se, à semelhança do que sucedeu nas comemorações do Dia do Trabalhador, a 1 de maio.

"Será ao abrigo de eventuais critérios da Direção-Geral de Saúde que acabará, como aconteceu em circunstâncias anteriores, por ser permitido este privilégio a um partido político, em concreto?", pergunta o CDS.

O PCP não adianta quantos bilhetes já vendeu para o evento, mas admitiu que irá sujeitar-se às regras ditadas pela DGS.

Outras Notícias