Festas

Centenas de romarias em agosto dinamizam economia e reforçam laços

Centenas de romarias em agosto dinamizam economia e reforçam laços

Centenas de festas populares e romarias inundam o país neste mês de agosto, com maior preponderância no Norte.

Só na região de turismo do Porto e Norte de Portugal, que publicou um guia das "Festas e Romarias Norte de Portugal" com as principais, são 279, das quais 81 (29%) decorrem em agosto, o mês mais festeiro. Cerca de 85% do total das festas contabilizadas nesta região decorrem entre maio e setembro.

E de fora ficam os milhares de pequenas festas de aldeia, que demonstram a "devoção popular e religiosa", uma das "principais características" do território, avança a entidade regional de turismo. "Cada freguesia dos 86 concelhos da Região Norte tem uma mão-cheia de celebrações dessa natureza", confirma. O turismo religioso, que em 2018 teve um "incremento de 9%", a avaliar pela procura nas lojas de turismo, e no qual se enquadram as festas e romarias, é um "produto estratégico" devido ao seu "elevado potencial", contribuindo "decisivamente para o aumento de turistas, nomeadamente nacionais, e dos proveitos económicos".

Por norma, o Norte é mais festeiro. "Não há praticamente aldeia nenhuma no Norte que não tenha no verão uma festividade em que a comunidade celebra o padroeiro", reforça o cónego José Paulo Abreu, presidente do Instituto de História e Arte Cristã. A concentração no verão e, particularmente em agosto, deve-se a questões "práticas, climatéricas e demográficas", que se prendem com o "bom tempo, férias da população e regresso dos emigrantes", explica. A maioria destas celebrações, acrescenta Albertino Gonçalves, sociólogo e investigador na Universidade do Minho, "desenharam-se quando Portugal era uma sociedade agrária", sendo as poucas festas de inverno dedicadas à "caridade, solidariedade e partilha" e as de verão, a grande maioria, direcionadas para "o prazer e folia", por ser tempo de "abundância". As festas, sublinha Albertino Gonçalves, são "marcos identitários de um povo" e, em Portugal, o "cariz religioso mantém-se".

"chuva para terra seca"

À parte litúrgica junta-se habitualmente uma vertente profana que promove o convívio entre a população, o estreitar de laços com os emigrantes que regressam às origens e a atração de turistas. Há pagamentos de promessas a santos, bailes animados por conjuntos musicais, decorações, restaurantes cheios e, nas romarias de maior dimensão - como a Sr.ª d'Agonia (Viana do Castelo), Sr.ª dos Remédios (Lamego), Sr.ª da Assunção (Póvoa de Varzim) e Gualterianas (Guimarães) -, alojamentos lotados. Muitos, sublinha o cónego, "esperam pelas festas como chuva para terra seca", pelos proveitos económicos que geram. São, exemplifica, "balões de oxigénio" para bandas e coletividades.

Tal como os artistas, também os "cerca de 1800 grupos folclóricos do país", diz Daniel Café, presidente da Federação do Folclore Português, viajam de norte a sul, integrando os programas. As romarias, afirma, "geram movimento e ajudam a dinamizar a economia de uma forma que ainda está por estudar", mas que não deve ser "desvalorizada".

O JN pediu informações às restantes quatro regiões de turismo do continente, mas apenas o Algarve respondeu, com dados de 2003.

ORÇAMENTOS

Comissões trabalham meses e investem milhares

As comissões que organizam as festas investem milhares de euros e trabalham quase o ano inteiro para garantir a animação. Em Viana do Castelo, este ano, a romaria da Senhora d'Agonia vai custar 550 mil euros e promete voltar a encher ruas e praças da cidade, entre os dias 16 e 20 deste mês. Em Vilar do Torno e Alentém, Lousada, a comissão que organiza os festejos em honra de Nossa Senhora da Aparecida vai investir, este ano, 150 mil euros (mais 20 mil que no ano anterior) na festa que decorre entre os próximos dias 10 e 15. O ponto alto é a procissão com o maior andor do Mundo (22,5 metros de altura), que atrai "multidões", diz André Farias, presidente da comissão de festas. Outro exemplo é Lamego, onde, em 2018, o orçamento da Senhora dos Remédios rondou os 300 mil euros.

NEGÓCIOS

Cachês avultados

O verão é época alta para os artistas, que cobram cachê por cada participação. Alguns são avultados, como o dos Xutos & Pontapés (pedem 37 mil euros para atuar) e o da fadista Mariza (35 mil por concerto). Tony Carreira, que faz uma pausa, era o mais bem pago em 2018, com uma média de 39 mil euros por concerto.

Toy faz 32 atuações apenas neste mês

Os artistas e conjuntos desdobram-se em atuações. O cantor Toy, por exemplo, vai ter um mês de agosto preenchido, com 32 atuações agendadas em bailes por todo o país. Tal como JN já havia divulgado, segundo o portal de contratação pública BASE, cobra entre 6 mil e 9 mil euros por concerto

Um milhão em Viana

Estima-se que, pelas festas da Senhora d'Agonia, em Viana do Castelo, uma das maiores romarias do país, tenham passado, em 2018, mais de um milhão de pessoas, que encheram as ruas e geraram negócios. Este ano a enchente deverá repetir-se.

REPORTAGEM

Voluntários preparam Marcha Gualteriana em Guimarães desde abril

Os obreiros da Marcha Gualteriana já ultimam preparativos para o grande evento das Festas da Cidade e Gualterianas, que começam hoje em Guimarães e se prolongam até segunda-feira. O último evento do cartaz das festas é precisamente a marcha, um cortejo com cerca de 500 participantes e dez carros alegóricos onde reina a sátira e a boa disposição.

O evento está a ser preparado há meses por 85 voluntários, como contou, ao JN, José Pontes, presidente da Associação Artística da Marcha Gualteriana: "Já estamos a trabalhar na marcha desde 13 de abril, mas, atenção, estivemos antes a fazer os preparativos para começarmos tudo nessa altura".

Na casa da marcha, uma grande garagem onde tudo nasce, enquanto uns cortam esferovite, outros pintam e outros cortam madeira. No chão há litros infindáveis de tinta, quilos de esferovite, madeira e papel e centenas de metros de fios elétricos. É que, como a marcha acontece à noite, há que assegurar que os carros brilham.

Os adereços são quase todos feitos de esferovite meticulosamente desenhado e pintado para corresponderem à temática dos carros, sendo que cada viatura é alusiva a um tema. Este ano, mantêm-se no cortejo o carro da cidade e o das balonas, com o último a encerrar o desfile com fogo de artifício. Pelo meio há o carro dedicado aos escoteiros de São Dâmaso, à cidade de Istambul, aos 30 anos da cooperativa Oficina, à mitologia nórdica, a Wall Street, ao Alentejo, aos 125 anos da Sociedade Musical de Pevidém, e às crianças. O mais aplaudido é sempre o carro da cidade, geralmente alusivo a um monumento de Guimarães, que este ano representa a igreja de Santa Marinha da Costa, com as duas grandes torres sineiras a protegerem a cruz que resguarda a imagem da santa que dá o nome ao templo religioso.

Ao som da rádio local

Na casa da marcha, os obreiros trabalham ao som da rádio local de manhã à noite. Há quem chegue às oito da manhã e só saia de lá à meia-noite. Tudo para assegurar que o maior evento das festas de Guimarães não se apaga. É que a maioria dos obreiros tem mais de 50 anos e, se não aparecerem jovens que queiram pegar na tradição, corre o risco de desaparecer.

Ali não falta trabalho e quem não sabe aprende, só precisa de ter vontade de ajudar a cidade. Este ano, um grupo de jovens artistas vimaranenses ajudou os obreiros e deu outro requinte aos desenhos e esculturas de esferovite. Quem sabe não são eles os obreiros de amanhã. "Vamos corresponder", assegura José Pontes, enquanto ultima os preparativos.

DATAS

S. Bento da Porta Aberta - 10 a 15 agosto

Manda a tradição que em Terras de Bouro se ofereça ao santo patriarca elementos como sal, ovos, azeite ou figuras de cera.

Senhora d'Agonia - 16 a 20 agosto

O desfile da mordomia e a procissão solene são alguns dos pontos altos desta romaria ancestral de Viana do Castelo.

Senhora dos Remédios - 16 agosto a 9 setembro

Tem epicentro junto ao santuário e à sua escadaria de 618 degraus, na cidade de Lamego.

Senhora das Graças - 18 a 22 agosto

Bragança celebra a padroeira com animação diversa. O ponto alto do programa religioso é a missa na catedral e procissão .

São Bartolomeu do Mar - 24 agosto

Os rituais de oferta de um frango preto ao santo e o banho de mar repetem-se anualmente e mantêm o cariz singular da romaria de Esposende.