O Jogo ao Vivo

Covid-19

Centro europeu recorre a exemplo de Portugal para prever mais casos da linhagem BA.5

Centro europeu recorre a exemplo de Portugal para prever mais casos da linhagem BA.5

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) recorre ao exemplo de Portugal para prever que países da Europa podem assistir a um aumento de casos de covid-19 devido às linhagens BA.4 e BA.5 da variante ómicron.

"Espera-se que o aparecimento da BA.4 e BA.5 noutros países da União Europeia e do Espaço Económico Europeu (EU/EEE) resulte em aumentos de casos de covid-19, como observado em Portugal nos últimos meses", estima o ECDC num documento publicado esta segunda-feira sobre saúde pública e estratégias de vacinação para a segunda metade do ano.

Segundo a agência da UE, a dimensão desse aumento de contágios em cada país dependerá de vários fatores, como a proteção imunitária já alcançada contra a infeção, a cobertura da vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2 e a extensão de anteriores ondas pandémicas.

PUB

"Em Portugal, o aparecimento e subsequente domínio da BA.5 ocorreu mais cedo do que noutros países da UE/EEE", refere o ECDC, ao avançar que, depois de ter surgido no início de abril, o crescimento da circulação dessa linhagem da ómicron foi associado a um aumento da incidência da covid-19 em todas as faixas etárias, que atingiu o pico no início de junho.

De acordo com o documento, embora não exista atualmente indicação de qualquer alteração significativa da gravidade provocada pela BA.4 e pela BA.5 em comparação com as anteriores linhagens, o aumento da circulação BA.5 foi associado a um aumento das hospitalizações e das admissões em unidades de cuidados intensivos (UCI) em Portugal.

"Os aumentos associados às hospitalizações e às admissões da UCI têm sido essencialmente impulsionados por pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. A onda BA.4/BA.5 atingiu o seu pico em Portugal, que tem registado uma tendência acentuadamente decrescente nas taxas de casos entre pessoas com 65 anos ou mais nas últimas cinco semanas", adianta ainda o ECDC.

Segundo o documento, as taxas globais de notificação dos casos de covid-19 na UE/EEE continuam elevadas e têm vindo a aumentar nas últimas cinco semanas, um crescimento relativamente recente e que "assinala o início de uma onda generalizada impulsionada pelas variantes BA.4 e BA.5".

Eficácia da vacina elevada

O centro europeu salienta também que a demonstração científica indica que a eficácia da vacina contra doença severa causada pela ómicron continua elevada, incluindo entre as faixas etárias mais idosas, com uma proteção de cerca de 80% a 90% cerca de dois a três meses após o primeiro reforço, mas que se vai reduzindo após três a seis meses.

"Uma segunda dose de reforço restaura a eficácia da vacina contra doença grave, que permanece estável até 10 semanas, mas ainda não estão disponíveis tempos de seguimento mais longos", refere o ECDC.

Nesta fase da pandemia, o objetivo das campanhas de vacinação deve ser reduzir a hospitalização, a doença grave e morte por covid-19 e proteger os sistemas de saúde, preconiza ECDC, reiterando que um segundo reforço deve ser considerado não apenas para a população com 80 anos ou mais, mas também entre 60 e 79 anos e para pessoas com doenças subjacentes, independentemente da idade.

"Isso seria particularmente relevante e impactante em países onde a onda BA.4 e BA.5 está a começar ou ainda não atingiu o pico", alerta o centro europeu.

O ECDC adianta ainda que as vacinas adaptadas à ómicron serão provavelmente autorizadas para utilização na UE em setembro, prevendo-se que estejam disponíveis durante o último trimestre deste ano.

No entanto, o calendário de distribuição e o seu fornecimento estão atualmente a ser definidos com os fabricantes.

Os últimos dados do Instituto Ricardo Jorge (INSA), disponibilizados na sexta-feira, indicam que a linhagem BA.5 da variante ómicron, com maior capacidade de transmissão, é responsável por 92% das infeções registadas em Portugal.

Nas últimas semanas, a mortalidade por covid-19 em Portugal está em tendência decrescente e a aproximar-se do limiar europeu de 20 óbitos a 14 dias por um milhão de habitantes, assim como os internamentos em enfermaria e em unidades de cuidados intensivos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG