Nacional

Chefe do Exército demitiu-se

Chefe do Exército demitiu-se

O General Carlos Jerónimo, chefe do Estado-Maior do Exército, pediu, esta quinta-feira, a demissão.

Fonte da presidência disse à Lusa que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que, por inerência, é o Comandante Supremo das Forças Armadas, aceitou a demissão e "agradeceu os relevantes serviços prestados ao país pelo general Carlos Jerónimo".A demissão foi justificada com "razões pessoais", disse a fonte da presidência.

Segundo o DN, que avançou primeiro a notícia, o pedido de demissão foi apresentado esta tarde.

Questionado pela Lusa sobre esta demissão, o gabinete do Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), através do coronel Helder Perdigão, disse que "este é um assunto da esfera do Exército" e remeteu para aquele ramo qualquer declaração.

O pedido surgiu na sequência das declarações do ministro da Defesa, que exigiu explicações ao CEME por causa das declarações feitas pelo subdiretor do Colégio Militar sobre a exclusão de alunos homossexuais.

Azeredo Lopes tinha dito ao DN que, "o Ministério da Defesa considera absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação, seja por questões de orientação sexual ou quaisquer outras, conforme determinam a Constituição e a Lei".

Questionado pela Lusa sobre esta demissão, o gabinete do Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), através do coronel Helder Perdigão, disse que "este é um assunto da esfera do Exército" e remeteu para aquele ramo qualquer declaração.

O general Carlos António Corbal Hernandez Jerónimo nasceu em Paialvo, no concelho de Tomar (Santarém), tem 58 anos de idade e 41 anos de serviço militar, segundo a página do Exército na Internet.

Processo de substituição já iniciado

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, anunciou que já iniciou os procedimentos adequados visando a substituição do general Carlos Jerónimo.

Em comunicado, o gabinete do ministro Azeredo Lopes afirmou que na sequência do pedido de demissão, que foi aceite pelo Presidente da República, "foram iniciados pelo Governo os procedimentos adequados com vista à nomeação de um novo" CEME.

A Lei de bases da Organização das Forças Armadas prevê, no artigo 18.º, que os chefes de Estado-Maior dos ramos são nomeados e exonerados pelo Presidente da República, sob proposta do Governo, que deve ser precedida da audição, através do ministro da Defesa Nacional e do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas.

Na mesma nota, o ministro da Defesa manifestou "o seu apreço e consideração pessoal e profissional" pelo general Carlos Jerónimo, que estava no cargo há dois anos.

Outras Notícias