Covid-19

Chegou a fase de mitigação. O que muda?

Chegou a fase de mitigação. O que muda?

As cadeias de transmissão estão estabelecidas no país. Atenuar os efeitos da Covid-19 e diminuir a propagação da doença são as prioridades das autoridades de saúde. Eis o que muda com a norma que entrou em vigor à meia-noite desta quinta-feira.

Na infraestrutura de saúde, a grande mudança é que serão envolvidos todos os hospitais públicos e centros de saúde, bem como o setor privado e social.

Não. Nesta fase, o uso de máscaras é só recomendado para pessoas com susceptibilidade acrescida quando estão em grandes aglomerados ou nos serviços de saúde.

As pessoas com suspeita de infeção, isto é, que apresentam sintomas como febre, tosse persistente ou tosse crónica agravada e dificuldade respiratória, devem ser testadas.

Na presença destes sintomas, as pessoas devem ligar para a linha telefónica gratuita SNS 24 (808 24 24 24), que fará o encaminhamento dos casos.

Pode ir a uma urgência de hospital. Serão separadas em duas partes: uma para pessoas com dificuldades respiratórias, onde se incluem os suspeitos de Covid-19, e outra para os restantes doentes.

Em caso de impossibilidade de testar toda a gente com suspeita de infeção, a DGS estabeleceu uma cadeia prioritária: primeiro, são os doentes com critérios de internamento hospitalar; segundo, os recém-nascidos e as grávidas; terceiro, os profissionais de saúde com sintomas.

Seguem-se os doentes com comorbilidades (como asmáticos, insuficientes cardíacos, diabéticos, doentes hepáticos ou renais crónicos, pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica e doentes com cancro) ou pessoas com imunidade mais frágil; e as pessoas em situação de maior vulnerabilidade, como residentes em lares ou que estão em unidades de convalescença.

Por último, são testadas as pessoas em contacto próximo com estes doentes.

Poderá ficar internado numa unidade de saúde se a casa não tiver telefone ou telemóvel, termómetro, casa de banho (de preferência só para o doente), água, sabão e detergentes e, se necessário, um cuidador. Os recém-nascidos, grávidas ou imunossuprimidos também.

Depois de falar com a SNS 24, receberá uma chamada de um médico nas 24 horas seguintes, e receberá por SMS uma requisição para o teste. Com o laboratório mais próximo, agende a colheita em casa ou num local dedicado nas 48 horas seguintes. Se entretanto ficar sem sintomas, repetirá o teste entre o 10.º e o 14.º dia após o início dos sintomas.

É a terceira e mais grave fase de resposta à doença Covid-19 e é ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.

A resposta é focada na atenuação dos efeitos da Covid-19 e na diminuição da sua propagação, minimizando nomeadamente a mortalidade associada.

Nesta fase, os doentes ligeiros ficam em casa, os moderados vão ao centro de saúde, os graves, mas não críticos, são encaminhados para os hospitais e os críticos são internados.