Alemanha

Cientistas portuguesas detidas na Cimeira Mundial da Saúde

Cientistas portuguesas detidas na Cimeira Mundial da Saúde

Um grupo de cientistas da Scientist Rebellion perturbaram, domingo, a Cimeira Mundial da Saúde, em Berlim. O protesto, que tinha como objetivo exigir uma ação urgente para os problemas climáticos, levou à detenção de 40 pessoas, duas delas portuguesas.

Teresa Santos, investigadora da Universidade de Lisboa, e Sara Gaspar, bioantropóloga, foram as duas portuguesas detidas nos protestos que ocorreram durante a abertura da Cimeira Mundial da Saúde, na Alemanha.

"Os cientistas têm feito tudo o que podem", sublinha Teresa Santos ao JN, e refere que, apesar dos políticos e empresários dizerem "que têm em conta a Ciência, na verdade não têm e está tudo a piorar". Acrescenta ainda que "a crise climática toca todos os setores da vida humana, e a saúde é, possivelmente, uma das mais afetadas".

PUB

Os quarenta cientistas da Scientist Rebellion, juntamente com dez ativistas do grupo Letzte Generation, provocaram o alvoroço. Os cientistas e ativistas de toda a Europa entraram no edifício da conferência, colocando os alarmes de incêndio a tocar, bloquearam a entrada e interromperam diversas vezes o discurso do chanceler alemão, Olaf Scholz. Após terem-se recusado a sair do local, foram detidas pela polícia cerca de 40 pessoas. "Nós estavamos num espaço privado e isso é ilegal, alguns de nós recusamo-nos a sair do local e fomos detidos", explica a investigadora da Universidade de Lisboa.

Através destas ações de resistência civil, a Scientist Rebellion exige uma ação imediata para limitar os impactos crescentes da crise climática, a nível nacional e internacional. "Nós estamos desesperados, não estamos a ser ouvidos das maneiras corretas, temos que usar outras formas", acrescenta Teresa Santos.

Durante o protesto, várias pessoas formaram barreiras, colaram-se ao chão e colaram à entrada publicações científicas sobre a crise climática e faixas onde se podia ler: Crise Climática = Crise na Saúde; 1,5°C = Ficção Política; Unam-se contra o falhanço climático.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG