O Jogo ao Vivo

Transmissibilidade

"Claro decréscimo da incidência": Rt da covid-19 nos 0,80

"Claro decréscimo da incidência": Rt da covid-19 nos 0,80

O índice médio de transmissibilidade (Rt) do SARS-CoV-2 está nos 0,80, com todas as regiões do país abaixo de 1, o que indicia um "claro decréscimo da incidência" do número de infeções.

Segundo o relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) hoje divulgado sobre a curva epidémica da infeção, Portugal apresenta uma taxa de notificação acumulada de 14 dias entre os 60 e os 119,9 casos por 100 mil habitantes.

Por regiões, o INSA avança que o Norte apresenta um Rt de 0,77, o Centro de 0,78, Lisboa e Vale do Tejo de 0,75, o Alentejo de 0,72, Algarve de 0,68 e os Açores de 0,95.

Ao contrário dos anteriores relatórios, o INSA não disponibilizou os dados sobre a Região Autónoma da Madeira, devido à "introdução de um elevado número de notificações em atraso na base de dados do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE), o que impede uma interpretação correta dos resultados".

De acordo com o instituto, assim que esta situação estiver ultrapassada, o INSA retomará o cálculo do Rt para a Madeira, admitindo que o índice de transmissibilidade nacional "poderá estar inflacionado" por esta razão.

Medidas de reabertura revistas mediante valores

Este indicador é um dos critérios definidos pelo Governo para a avaliação que vai ser feita do processo de desconfinamento. Na quinta-feira, António Costa avisou que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapassar os "120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias" ou sempre que o Rt ultrapasse o 1.

PUB

Segundo o relatório divulgado hoje, desde 10 de fevereiro que se regista um estabilizar do Rt com um ligeiro aumento de 0,61 para 0,84, o que "sugere um desacelerar da tendência de decrescimento da incidência do SARS-Cov-2".

No anterior relatório, divulgado a 5 de março, o índice médio de transmissibilidade estava nos 0,71 em Portugal continental, com exceção dos Açores e da Madeira, que apresentam um valor acima de 1.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG